A GAZETA 30 ANOS: Depoimentos

Postado em 27/10/2015 16:13:48

Desembargadora Cezarinete Angelim
DESEMB
A história de 30 anos do jornal A GAZETA se confunde com os meus 27 anos de magistrada. Quando ingressei na Magistratura Estadual, o veículo já iniciara um novo tempo na produção de notícias  transmissão de conteúdos para o povo acreano. Desde então, sou testemunha do espaço que me tem sido franqueado, antes como juíza e, agora, como desembargadora e presidente do Tribunal -, para dar visibilidade aos projetos, ações e iniciativas do Judiciário do Acre e, sobretudo, ser um canal de comunicação direta com os cidadãos.

Desejo parabéns e faço votos de continuidade no sucesso alcançado até agora.

Desembargadora Cezarinete Angelim
Presidente do Tribunal de Justiça do Acre

Jeferson Dourado
Jefson
Como profissional de jornalismo é um orgulho pra mim ter começado a trabalhar no jornal A GAZETA. Lembro como se fosse hoje o primeiro dia. Fui convidado pelo Antônio Stélio para trabalhar como diagramador. Quando cheguei, no início da tarde, as primeiras pessoas que vejo são os mestres da diagramação DIM e MAXTANE. Levanto o olhar para o restante da redação e o mago da comunicação acreana, Roberto Vaz, logo me encara e pergunta: o que você sabe fazer? Você sabe desenhar?

Não sabia fazer nada!

Mas aquele clima de informação borbulhando por todo lugar era fantástico! E procurei aprender rápido para não me demitirem.

Tive o privilégio de trabalhar com grandes jornalistas, correspondentes dos principais jornais do país. Profissionais como José Chalub Leite, Edson Silva, Antônio Stélio, Józimo de Souza, Chico Araújo e muitos outros. O chefão, Silvio Martinello era como uma divindade que chegava no início da noite na redação para entregar “AS GAZETINHAS”.

Passei pouco mais de 3 anos no jornal e sem sombra de dúvidas, minhas raízes como jornalista foram regadas em A GAZETA!

Jeferson Dourado é gerente de jornalismo da Rede Amazônica Acre


Golby Pullig
Golby
Passei três vezes pelo jornal A GAZETA, em três momentos profissionais e pessoais diferentes. Em todas as experiências aprendi um pouco mais sobre jornalismo, convivi com colegas que se tornaram amigos, entendi o valor de uma empresa familiar e me fortaleci ainda mais como ser humano. Os desafios de uma redação são muitos. A falta de rotina pode ser cansativa, mas a organização da empresa A GAZETA faz com que o trabalho tenha mais fluência. As áreas administrativa, financeira, de RH, dão o suporte para que o jornalismo funcione, desde a recepção, com a simpatia da Socorro e da Raimunda, ao apoio do Zezinho, motorista parceiro das equipes.

A primeira vez estive como editora da Rádio A GAZETA FM, uma breve passagem, mas que ficou marcada em minha memória. No prédio antigo, da Antônio da Rocha Viana, compartilhava com os colegas do jornal A GAZETA a tensão e expectativa do período turbulento de investigação, julgamento e prisão dos integrantes do Esquadrão da Morte. Lá mesmo produzi durante um ano o Programa de Criança com Eliane Sinhasique. Meus colegas de rádio, os repórteres Cléia Serra e Elias Daier, compartilharam comigo esse momento.

Na segunda vez atuei como repórter e editora assistente e não esqueço das reportagens especiais que fazíamos, da parceria com a repórter fotográfica Rose Peres e das companhias divertidas do Dim e do Ramiro Marcelo na diagramação, nosso colega que partiu tão cedo.

Em 2011, novamente trabalhei no jornal como repórter. Um período curto, mas não menos intenso, com erros e acertos que me fortaleceram ainda mais como pessoa e profissional. Fico feliz de fazer parte da história de A GAZETA. Parabéns ao Silvio Martinello por manter esta empresa e esta família unidas em um propósito de não abandonar o bom jornalismo. Vida longa ao jornal A GAZETA. Que venham outros 30 anos.

Golby Pullig é assessora de imprensa na Secretaria de Turismo e Lazer (Setul) Acre

editorial

Não há como ignorar

 

Não como ignorar ou negar – e o próprio secretário de Segurança Pública admite- que nos últimos dias houve nova investida das famigeradas facções criminosas com vários homicídios tanto na Capital como em algumas cidades do interior, onde até um aluno teria sido morto dentro da sala de aula. Porém, não ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook