A região `MAAP`ou como o futuro já chegou à região MAP (parte1)

Postado em 19/07/2016 04:11:21 Foster Brown  & Evandro Ferreira

A Região MAP, uma área trinacional que engloba a Região Madre de Dios/Peru, o estado do Acre/Brasil e o Departamento de Pando/Bolívia, forma o coração da Amazônia Sul-Ocidental e é um palco onde o futuro parece estar chegando rápido. Como Guillermo Rioja (2005) notou, a Região MAP é uma construção social, ou seja, reflete um paradigma, uma visão do mundo, onde a colaboração transfronteiriça pode ser um bem social na resolução de problemas de um mundo em mudança.

Quando a palavra MAP foi concebida, durante uma reunião realizada em dezembro de 2000 em Rio Branco, a principal preocupação dos participantes era o impacto de uma estrada interoceânica na região fronteiriça. Outras mudanças, como a climática ou dos ciclos globais de elementos, eram de interesse meramente intelectual, algo para um futuro indeterminado. Neste milênio, a estrada interoceânica foi asfaltada e a ponte Brasil-Peru construída. O movimento comercial, apesar de estar abaixo das expectativas de muitos, segue crescendo e foi útil para o Acre de uma maneira inesperada: aumentou a resiliência da economia acreana.

Durante a cheia do Rio Madeira em 2014 o movimento de caminhões na estrada federal BR-364 que liga o Acre com o resto do Brasil caiu de mais de 200 para 20 ou menos por dia entre os meses de fevereiro e abril. Esta queda abrupta comprometeu o abastecimento de combustíveis e alimentos no Estado e o impacto foi sentido até em Puerto Esperança, no alto rio Purus, no Peru, e em Cobija, na Bolívia. A importação de milhões de litros de combustíveis e centenas de toneladas de alimentos do Peru pela Estrada Interoceânica foi chave para evitar o colapso no abastecimento do Acre.

O asfaltamento da Estrada Interoceânica também promoveu outro resultado não esperado: a imigração para o Brasil de haitianos e senegaleses que já totaliza mais de 35 mil pessoas desde 2010. Nesta mesma linha de facilitar o transporte, uma ferrovia paralela à rodovia Interoceânica está sendo proposta com o apoio da China. De certa maneira, o sistema de transporte já deu a sua contribuição para mudanças de ordem social e econômica irrevogáveis na Região MAP, mas aparentemente estas mudanças podem ser pequenas frente ao que as mudanças climáticas podem provocar.

Durante os últimos anos duas publicações alertaram que, sem que a gente perceba, estamos em uma fase de grandes mudanças de paradigmas. Bill Mckibben (2011) publicou o livro intitulado “Teerra, Vivendo num Planeta Novo e Problemático” e Naomi Klein escreveu em 2011 um artigo na revista “The Nation” intitulado “Capitalismo versus o Clima”, posteriormente ampliado com a publicação do livro “Isso Muda Tudo” em 2014.

Mas será que estamos passando por uma mudança drástica de paradigma na Região MAP em função do clima?

Usando o truque de McKibben, que acrescentou a letra ‘e’ a mais na palavra Terra para ressaltar que o planeta não é mais como antes, nos perguntamos:

– Será que a Região MAP vai virar ou já virou a Região MAAP?

A pergunta é feita por que, aparentemente, ainda temos a impressão de estar lidando com o paradigma de que a região MAP está no “o fim do mundo”, que é um resquício do período de extração de látex quando Acre, Pando e Madre de Dios eram conhecidos por sua localização remota e isolada quando os rios deixavam de ser navegáveis no verão amazônico. Essa impressão é reforçada pela persistente insistência nas mídias sociais de campanhas do tipo “O Acre Não Existe”.

As evidencias contra e a favor

Como cientistas, fomos treinados para ser cético e olhar as evidências. Afinal, o clima está sempre mudando e houve épocas quando, naturalmente, tivemos eventos extremos bem piores que os acontecidos em anos recentes. Por exemplo, a seca de 1925-26 foi a mais prolongada desde que o nível do rio Amazonas passou a ser monitorado em Manaus, em 1903. Existem indicações de que esta seca durou bem mais que os três a quatro meses que ocorrem normalmente na Região MAP.

Betty Meggers (1994) descreveu mega-El Niños afetando civilizações indígenas centenas de anos atrás com secas extremamente severas que duraram décadas e mesmo séculos. Na memória de antigos moradores de Cobija já aconteceram inundações maiores que a de 2015, considerada a maior dos últimos 25 anos. Como se vê, mesmo em uma região com tão poucos dados históricos precisos sobre o clima, a ausência de evidências não é equivalente à evidência de ausências.

Com tanta variabilidade natural, como chegar à conclusão de que estamos entrando em uma mudança drástica permanente, ou seja, que o planeta não é mais a Terra que conhecíamos?

Primeiro, sabemos que os gases causadores do efeito estufa, especialmente o gás carbônico (CO2), são essenciais para a manutenção do balanço energético do planeta. Segundo, a concentração atmosférica desses gases tem aumentado em velocidade inédita, aparentemente a mais rápida dos últimos 55 milhões de anos, e as concentrações observadas atualmente são as maiores dos últimos 800 mil anos. Terceiro, este aumento, especialmente do CO2, é debitado à ação humana (queima de combustíveis fósseis e florestas). Quarto, existem múltiplas evidências de aumento da temperatura dos oceanos e da atmosfera que não tem outra explicação. Paralelo a isso, e além de chuvas e secas na Amazônia, está ocorrendo a intensificação do ciclo hidrológico global desde 1950.

De fato, as florestas da Região MAP já estão sujeitas a concentrações de CO2 30% superiores às concentrações observadas nos últimos 800.000 anos. O CO2 é um elemento essencial para a fotossíntese e alterações no seu ciclo causarão efeitos na produtividade das florestas. Só este fato indica que já estamos em um mundo novo, mesmo que alguns dados sugiram que o efeito do aumento de CO2 na produtividade das florestas sejam, até agora, menores do que os impactos do clima em florestas tropicais. [artigo continua…]

A íntegra desse artigo, com as referências bibliográficas foi publicado na revista MAPIENSE 2, p.43-48, 2015.

Foster Brown é pesquisador do Centro de Pesquisa de Woods Hole, Docente do Curso de Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (MEMRN) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Cientista do Programa de Grande Escala Biosfera Atmosfera na Amazônia (LBA), do INCT SERVAMB e do Grupo de Gestão de Riscos de Desastres do Parque Zoobotânico (PZ) da UFAC. Membro do Consórcio Madre de Dios e da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais do Acre (CEGdRA).

Evandro Ferreira é pesquisador do INPA e do Parque Zoobotânico da UFAC e docente em Ciência Florestal da Universidade Federal do Acre (UFAC).

editorial

Até que enfim

 

Até que enfim parece que os deputados, tanto da oposição como da situação, fizeram uma cobrança conjunta e incisiva sobre a necessidade urgente de o Dnit começar a recuperação da BR-364, no trecho para Cruzeiro do Sul. Como se noticiou ontem, os deputados alertaram que, se medidas urgentes, não forem tomadas ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook