Algo a acrescentar e repudiar

Postado em 11/01/2017 16:24:25

A rigor, nada a acrescentar o que já se comentou sobre a Operação G-7, considerando que o próprio juiz Jair Facundes, que exarou a sentença, afirma que nem “indícios” de provas convincentes foram apresentados pela acusação dos supostos crimes que teriam sido praticados pelos acusados. Mas há algo mais sim a acrescentar e a repudiar.

O que se assistiu na dita operação foi o mesmo modus operandi que alguns segmentos da Polícia Federal e do Ministério Público Federal vêm utilizando em outras operações, como a decantada Lava-jato: proporcionar à sociedade e à mídia espetáculos midiáticos, próprios de um “estado policialesco”, passando por cima dos mais elementares princípios do Direito e da Constituição do país, com os da presunção da inocência, da privacidade e da defesa.

Como se recorda, no amanhecer daquele dia da prisão, cerca de 150 policiais bateram a porta das casas dos acusados, devidamente acompanhados por uma equipe de reportagem de uma grande rede de televisão que veio a Rio Branco para proporcionar, “com exclusividade” para todo o país mais um desses “espetáculos”.

Não, nada a opor ao combate à corrupção e a outros crimes. Mas tudo a opor e repudiar a essa tentativa de agentes públicos e de setores da mídia, que pretendem reproduzir no país métodos típicos de um “estado policialesco, ditatorial”.

 

editorial

Ajuda, mas não resolve

 

A transferência desses 15 presos tidos como “chefes” de facções criminosas de Rio Branco para Mossoró, no Rio Grande do Norte, embora tardia, diante dos apelos do Governo do Estado, pode contribuir para evitar problemas ou até mesmo alguma chacina também aqui no Estado, mas não resolve a questão da ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook