Algo a acrescentar e repudiar

Postado em 11/01/2017 16:24:25

A rigor, nada a acrescentar o que já se comentou sobre a Operação G-7, considerando que o próprio juiz Jair Facundes, que exarou a sentença, afirma que nem “indícios” de provas convincentes foram apresentados pela acusação dos supostos crimes que teriam sido praticados pelos acusados. Mas há algo mais sim a acrescentar e a repudiar.

O que se assistiu na dita operação foi o mesmo modus operandi que alguns segmentos da Polícia Federal e do Ministério Público Federal vêm utilizando em outras operações, como a decantada Lava-jato: proporcionar à sociedade e à mídia espetáculos midiáticos, próprios de um “estado policialesco”, passando por cima dos mais elementares princípios do Direito e da Constituição do país, com os da presunção da inocência, da privacidade e da defesa.

Como se recorda, no amanhecer daquele dia da prisão, cerca de 150 policiais bateram a porta das casas dos acusados, devidamente acompanhados por uma equipe de reportagem de uma grande rede de televisão que veio a Rio Branco para proporcionar, “com exclusividade” para todo o país mais um desses “espetáculos”.

Não, nada a opor ao combate à corrupção e a outros crimes. Mas tudo a opor e repudiar a essa tentativa de agentes públicos e de setores da mídia, que pretendem reproduzir no país métodos típicos de um “estado policialesco, ditatorial”.

 

editorial

A conferir

 

Muitos discursos durante a inauguração da Superintendência do Dnit no Estado e a posse do superintendente, mas o que interessa mesmo para a sociedade é saber se o órgão vai, efetivamente, realizar as obras que o Estado tanto precisa, de modo particular, o asfaltamento da BR-364 até Cruzeiro do Sul. Como ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook