Amor em cinzas

Postado em 01/03/2017 23:10:49 Victor Augusto

O bumbo começa a desacelerar, as cornetas a silenciar e na avenida só ficou penas, purpurinas e as cinzas do carnaval. A festa das festas e os prazeres da carne se encerraram. A última parte só diminuiu, tem gente que segue o ritmo até o outro esquenta.

Você levanta no dia seguinte com aquela vontade de que emendem o carnaval com a semana santa, pois está um calor, de quem está atravessamos o deserto do Saarah e quem vai passando a ponte a pé, o sol vai queimando a cara. Mas no meio da pinguela encontra aquela pequena que se cair na rede é peixe e você não pode bobear.

Pelas ruas ainda nos deparamos com um ou outro que ainda insiste nas machinhas. O assaltante que continua a entonar “ei você ai, me da o dinheiro ai, o carro ai, o celular ai e tudo que tiver ai”.

Quantos bustos suculentos, quantas curvas perigosas e quantos cabras querendo ser o que não são, e que alivio que a concorrência diminuiu. Oi? Concorrência? O carnaval está um verdadeiro perigo para se amar. Homens vestidos de mulheres, usado a época pra se soltar e as lindas donzelas achando que o macho alfa está em falta, já se relacionam ainda mais com elas mesmas. Pai perdoo-as elas não sabe que a culpa é da geração Just Bieber e não da minha geração Reginaldo Rossi.

Saudades dos tempos que eu saia de turma pra Gameleira e bastava uns flertes para o beijaço acontecer. Onde foi aquele amor eterno até o próximo trenzinho? Os carnavalescos firam chatos, politicamente chatos. Estes carnavais se você olhar pra uma bela rapariga é arriscado a apanhar da namorada, sim da NAMORADA. Os demais gladiadores aceitam a desculpa que a gente não sabia que a moça estava acompanhada.

Os operários do amor estão em crise, sejam os cuecas pintadas ou bacorinhas acesas. Até a turma do funil sumiu, ela preferiu ficar em casa ou se retirou. Já não se fazem carnavais como antigamente. O amor de carnaval virou cinza no primeiro esquenta.

Como ter historia para contar se ninguém sabe mais vivenciar. Os pais e os corações estão em uma grande crise. Para os próximos festejos corremos o risco de vê propagandeado “Brasil. Um país do Carnaval – ame ou deixe-o”.

editorial

Não há como ignorar

 

Não como ignorar ou negar – e o próprio secretário de Segurança Pública admite- que nos últimos dias houve nova investida das famigeradas facções criminosas com vários homicídios tanto na Capital como em algumas cidades do interior, onde até um aluno teria sido morto dentro da sala de aula. Porém, não ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook