Após ter mais de 60% do prédio destruído por incêndio, a Papudinha deverá ser desativada – Jornal A Gazeta

Após ter mais de 60% do prédio destruído por incêndio, a Papudinha deverá ser desativada

Uma manhã de terror assustou quem passou pela entrada do Parque do Tucumã. Após dois detentos serem mortos na entrada da UP4, mais conhecida como Papudinha, teve início um incêndio de grandes proporções dentro da unidade. A direção confirmou que 60% da unidade ficou totalmente comprometida.

O Corpo de Bombeiros foi chamado para controlar o fogo por volta das 5h30. O incêndio durou quase uma hora e meia. Cinco viaturas do Corpo de Bombeiros foram utilizadas para conter o fogo na prisão. Além de equipes das Polícias Militar, Civil e o Batalhão de Operações Especiais (Bope) foram até o para evitar que novos ataques acontecessem.

De acordo com a polícia, os presos que morreram foram, Mateus da Silva Lima, de 21 anos, e Antônio Marcos Teles Felisberto, de 30 anos. Os dois cumpriam pena por envolvimento com drogas.

Segundo informações da polícia, o suspeito de atirar contra os presidiários também é detento e teria deixado a arma usado no crime enterrada em monte de areia de uma obra na entrada da unidade prisional. Ao sair do presídio nesta quarta, 07, o criminoso pegou a arma escondida e atirou contra outros dois suspeitos.

Policiais militares que acompanharam o incidente encontraram cápsulas de munição de pistola Ponto 40. A Polícia Civil é mais cautelosa e diz que vai investigar, mas acredita que tenham sido pessoas de fora do presídio que tenham cometido o assassinato.

Uma das vítimas morreu no local do crime, a outra foi conduzida ao Pronto Socorro de Rio Branco, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no hospital.

A polícia acredita que o crime tenha sido motivado por vingança pela morte do presidiário do Bonde dos 13, Mossiene Damasceno Lima, assassinado na última semana.

Em represália, detentos incendiaram parte do presídio. Nenhum dos demais que estavam na unidade ficou feridos com o incêndio. A unidade comporta 400 presos e, atualmente, cumprem pena no regime semiaberto 320 presos e 74 no fechado, um total de 394 reeducandos.

Após o fim do incêndio foi confirmada que toda ala do semiaberto foi afetada. Já a ala dos presos do regime fechado não foi atingida e os detentos permanecem nas celas.

A Cúpula da Segurança Pública resolveu desativar o presídio. A informação foi confirmada pelo Diretor do Instituto de Administração Penitência (Iapen), Aberson Carvalho, após uma reunião com a juíza da Vara de Execuções Penais, Luana Campos e o Secretário de Segurança, Emylson Farias.

O Instituto de Administração Penitenciária do Acre (Iapen-AC) informou que os presos do regime semiaberto que estavam na Papudinha devem ser encaminhados para o regime fechado.

“A doutora Luana [juíza da Vara de Execuções Penais] nos antecipou que nesse primeiro momento os presos vão regredir de pena, vão ser encaminhados para o Francisco d’Oliveira Conde [FOC] e só estamos esperando a decisão da magistrada para fazermos a atuação”, afirmou o diretor do Iapen.

A previsão é de que ainda nesta semana chegue a encomenda feita pela secretaria de segurança das tornozeleiras eletrônicas e após uma análise do perfil de cada preso, que estava no regime semiaberto, cada um irá passar a ser monitorando 24hs através do equipamento. Com isso a unidade e o regime semiaberto passará a ser extinto definitivamente.

Polícia Militar apreende possível veículo utilizado em ataque a UP4

 

 

Assuntos desta notícia