Avião da vida

Postado em 26/01/2017 00:33:24

Coração batendo forte, pensamento acelerado, mãos suadas, a perna não para de tremer, um nó na garganta, como se a qualquer momento você fosse parar de respirar e as vezes você para mesmo. Essa é uma combinação infernal. Alguns dizem que é ansiedade, outros alegam estresse e há que diga que é frescura mesmo.

Quem nunca passou por isso? Essa já foi uma realidade minha. Há tempos, eu sufocava em pensamentos de caos. Foi preciso uma mudança para me trazer o brilho no olhar novamente. Mas, o prazo de validade da mudança está vencendo de novo. E a combinação infernal voltou ao meu dia a dia. E eu sei onde tudo isso ia me levar.

Antes que tudo fugisse do controle, busquei ajuda. Estou em tratamento. Me policio o tempo inteiro. Sobre a minha respiração, sobre o horário de comer e manter afastado qualquer pensamento acelerado e destrutivo.

É uma luta diária. Nem sempre consigo. Mas, quando consigo o dia é bom. Consigo não me abater com as tristezas ao meu redor, não me afeto com a falta de competência ou interesse dos outros em relação as coisas comuns. Me preservo emocionalmente. Não é fácil. Digo ou teria que dizer não para alguém ou situação que vai me desrespeitar ou o meu tempo.

Admiro pessoas que tem esse discernimento desde muito novinhas. Eu não tive. Vou quer a aprender depois de velha, mesmo. E aceitar as consequências de escolhas erradas do passado.

Parei de conjugar o verbo na terceira pessoa. Eu preciso me conhecer e melhorar para fazer bem aos outros. Afinal, numa grande turbulência no avião colocamos a máscara de oxigênio em nós mesmos para depois colocar nas crianças.

Essa é uma regra básica de sobrevivência. Seja na família, no trabalho na vida a dois. Você tem que estar bem consigo mesmo para ser produtiva, sem morrer de trabalhar. E amar incondicionalmente, sem aprisionar o parceiro (a).

Mas, é bem mais prático, resolver e se preocupar com o outro. É uma forma de esconder a sua própria dor. No meu caso, eu tinha a inútil ideia de que alguém fizesse por mim, o que já fiz por, muitas vezes, alguém que não merecia.

A vida é uma relação de mão dupla, eu justificava. Hoje vejo que a vida é como um avião. Estamos a bordo impotentes as ações do tempo e espaço. Tem os momentos de turbulência e de calmaria. Perdemos pessoas, juntamos outras, mas nunca estamos só. E às vezes ele pode cair, mas na maior parte do tempo a paisagem é realmente de tirar o fôlego.

*Bruna Lopes é jornalista
jornalistabrunalopes@gmail.com

 

editorial

Não há como ignorar

 

Não como ignorar ou negar – e o próprio secretário de Segurança Pública admite- que nos últimos dias houve nova investida das famigeradas facções criminosas com vários homicídios tanto na Capital como em algumas cidades do interior, onde até um aluno teria sido morto dentro da sala de aula. Porém, não ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook