Baile de favela

Postado em 13/07/2016 04:20:48 Gilberto Braga

Numa época de educação para poucos, Noel Rosa ensinava que “batuque é um privilégio” e “ninguém aprende samba no colégio”. Respeito o mestre, mas, se queremos educação para todos, acredito na criatividade e na música como ferramenta de ensino. Qualquer música, independente de gosto e formação musical. Até um funk. Por que não?

A professora de sociologia Gabriela, da Escola Estadual Maria Gai, de Curitiba, pediu a seus alunos um trabalho sobre Karl Marx. Eles apresentaram uma música com versos sobre mais-valia, ideologia, burguesia – tudo a ver com as teorias do pensador alemão, um dos mais influentes na sociologia, filosofia, história, política, economia.

A turma usou o que ouve e canta para trazer Marx à realidade da juventude brasileira. Fizeram uma paródia do funk “Baile de Favela”, de Mc João. O trabalho ficou pertinente. A professora Gabriela filmou a turma cantando: “Os burgueses não moram na favela/ Estão nas empresas explorando a galera/ E os proletários, o salário é uma miséria/ Essa é a mais-valia, vamos acabar com ela”. E o refrão é a tradução popular mais perfeita do autor do Manifesto Comunista jamais conseguida por qualquer intelectual ou academia: “Karl Marx é baile de favela!”.

Gabriela postou o vídeo nas redes sociais. Rápido, mais de 150 mil visualizações. Viralizou, mas também virou alvo de blogs e sites intolerantes que defendem o movimento “Escola Sem Partido”. Rápido, também, a Escola Maria Gai, de certo com anuência da Secretaria de Educação do Paraná, anunciou a demissão da professora, acusando-a de doutrinação comunista dos seus jovens alunos.

Ora, em casa, na festa, no intervalo das aulas, o estudante de ensino médio pode cantar um funk de letra carregada de putaria – escolhi a palavra mais certa, como diria Gonzaguinha –, mas não pode usar a mesma música para facilitar o seu aprendizado.

A demissão da professora Gabriela não é um caso isolado. A intolerância que divide o Brasil é causa e efeito desta mesma ignorância capaz de satanizar Karl Marx, discriminar o funk e promover o movimento “Escola sem partido”, que se permite ter o ator pornô Alexandre Frota como porta-voz, inclusive em audiência com o ministro da Educação do presidente interino Michel Temer.

editorial

Uma boa medida

 

Como este jornal mostrou na edição de domingo, pelo menos, aqui, no Estado, as autoridades de segurança estão tomando medidas para evitar as chacinas que vêm se sucedendo em diversos estados com as disputas entre as famigeradas facções e, ao mesmo tempo, prevenindo e combatendo a criminalidade aqui fora com ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook