Basta jiriquita – Jornal A Gazeta

Basta jiriquita

Estamos vivendo mais um ano de muitas coisas sem nexo, falácias, picuinhas, disse me disse, arengas, “azunhadas” e sim, estou me referindo a mais um ano de campanhas eleitorais, período onde tudo que não é passa a ser. Onde temos os bons e os maus, mas ninguém presta. O primeiro a ir pro paredão é a imprensa.

Somos generalizados e chamados de muitas coisas, vendidos, pelegos, baba ovo entre outras coisas. Desde que me entendo por gente e profissional, sempre busquei me afastar desses tipos de titulações. Valorizo minha consciência tranquila e não posso admitir que ofendam a mim e outros colegas da mesma linha de pensamento.

Surgiu um período eleitoral, logo os senhores de grande moral apontam o dedo para os outros. Nesse período que me profissionalizei enquanto acadêmico até chegar a ser representante de uma categoria sindical, ouvi e vi muitos absurdos. Os mesmos que apontam o dedo para nos hoje, são aqueles que um dia ofereceram a tão famosa jiriquita (propina).

Uma categoria de profissionais não pode ser acusada de tais desvios de caráter. Em todas as profissões existem os bons e os ruins. Por que devemos ser comparados? A prostituição da comunicação já começa no parlamento, que não sabe ouvir criticas e só quer flores como qualquer outra diva. Por que os tais justiceiros não colocam a cara na imprensa e preferem usar os jornalistas como bucha de canhão?

O que mais tenho ouvido nesta semana, é que a culpa do que existe de ruim no país, só se deve exclusivamente a imprensa. E aquele escândalo de apropriação de recursos públicos que o jornalista fez, não serve de nada?! Aquela senhora que foi expulsa da casa com seus cinco filhos e quem os ajudou só soube pela imprensa, isso também não serve?

Assessoria de imprensa é um profissional que tem o objetivo de mostrar o lado bom de empresas, pessoas e entidades. São jornalistas igualmente com quem está trabalhando no sol. A única coisa que os diferencia são os salários. Se alguns confundem o seu papel como profissional e militante, os demais nada têm a ver com isso.

Os bons lamentam que não suportam a maneira como uma minoria tenta viabilizar somente os seus interesses e deixa o da maioria de lado, vítimas de praticas incomuns. Respeito de haver com todos. Se quisermos mudar essas histórias relacionadas às denuncias, vamos aprender a votar e reconhecer nossa parcela de culpa ao errar nisso.

* Victor Augusto (Bombomzão) é jornalista.
E-mail: Victor.ojornalista@gmail.com

Assuntos desta notícia