Carnaval é encerrado mais cedo em Rio Branco por conta da forte chuva que durou 10 horas – Jornal A Gazeta

Carnaval é encerrado mais cedo em Rio Branco por conta da forte chuva que durou 10 horas

Para encerrar a programação do Carnaval 2018, o último dia prometia o desfile dos blocos, mas antes que disso, no fim da tarde, uma forte chuva caiu em Rio Branco. Por conta disso, o desfile foi cancelado e deve acontecer no sábado, 17. A nova data foi acordada entre a direção da Fundação Garibaldi Brasil (FGB) junto com os presidentes dos blocos.

Mesmo debaixo de muita chuva, teve folião de que continuou a se divertir em frente ao palco montado no Novo Mercado Velho e que teve como animação a banda Velhos Cowboys, com músicas variadas que vão desde o rock às tradicionais marchinhas.

De acordo com a FGB este ano, desfilam os blocos Saúde e Prevenção, Unidos do Fuxico, Sem Limite, Sambase, e 6 é D+. Eles disputam o prêmio de R$ 3,2 mil para o primeiro lugar, mais troféu. O segundo lugar deve ser premiado com R$ 2,2 mil e troféu e terceiro lugar vai levar R$1,1 mil e troféu.

Com o tema “Tem Folia na Cidade – Carnaval nos Bairros 2018”, a folia foi organizada pela prefeitura da capital e pelo governo do Estado, por meio das Fundações Garibaldi Brasil (FGB) e Elias Mansour (FEM). Além do Novo Mercado Velho, a festa foi realizada em 14 bairros.

Enquanto alguns aproveitavam para pular Carnaval, em vários pontos da capital ainda na noite de terça-feira, 14, foram registrados pontos de alagamentos e desmoronamentos. No bairro Tangará, por exemplo, uma enxurrada causou prejuízos a moradores que tiveram suas casas invadidas pela água.

Na manhã desta quarta-feira, 14, o Igarapé Judia transbordou e suas águas invadiram parte da Via Chico Mendes no Segundo Distrito.

Famílias inteiras ficaram ilhadas e algumas delas perderam tudo. De acordo com a aposentada Maria de Fátima Silva, a água subiu de uma vez. “Perdi quase tudo dentro de casa. Olhávamos para a rua e víamos os carros boiando. Meus vizinhos também tiveram grandes prejuízos, foi uma noite de terror”, lamentou.

Até mesmo no Campus da Universidade Federal do Acre teve registro de alagamento. As águas do chamado Lago das Capivaras bloquearam a principal via de acesso aos blocos da universidade.

Os principais bairros atingidos por inundações foram Bosque, Estação Experimental, Tangará, Esperança, Conquista, João Eduardo, Manoel Julião, Vila Betel, Jacarandá entre outros. Córregos transbordaram e interditaram ruas na capital. Como o igarapé Batista que desabrigou algumas famílias que ainda contabilizam os prejuízos.

Tanto estrago é explicado pela Defesa Civil por conta do volume chuva que caiu. Em 10 horas choveu o que era esperado para o mês inteiro. Até o momento, o Corpo de Bombeiros recebeu mais de 210 chamadas por causa da chuva. Ao todo nove equipes trabalhando na assistência às famílias. A maioria dos casos é de alagamentos, informou o major do Corpo de Bombeiro, Cláudio Falcão.

A situação mais crítica, disse George, fica no residencial Carandá e nas proximidades da Loja Havan, na região do Portal da Amazônia. “Não é possível no momento avaliar os prejuízos, mas todas as nossas equipes estão nos locais atingidos pela enxurrada dos igarapés e prestando auxílio às famílias”, disse o coordenador.

O governador Tião Viana determinou total apoio da Defesa Civil Estadual às equipes da Prefeitura de Rio Branco.

“O governador determinou que a Defesa Civil Estadual, com o Corpo de Bombeiros, juntasse todo seu poder operacional com os demais órgãos para ajudar a Defesa Civil Municipal, equipes da prefeitura na remoção e atendimento de todas as famílias que foram atingidas por essa enxurrada”, explicou o major do Corpo de Bombeiro, Cláudio Falcão.

Ainda está sendo feito um levantamento de quantas pessoas e bairros foram atingidos. Segundo o major, os locais mais críticos foram onde os igarapés transbordaram.

Acre apresenta elevação na capital e interior

O Rio Acre, em Rio Branco, subiu mais de um metro nas últimas 24 horas. E nesta quarta-feira, 14, chega a marca de 12.32 metros. A cota de alerta na capital é de 13,50 metros.

O Riozinho do Rola, seu principal afluente, também apresentou subida e marca 10,63m. Em Assis Brasil, nível também se elevou e a marca é de 5,53m. Em Brasileia e Xapuri, as marcas são de 3,63 e 6,37 metros, respectivamente.

O Corpo de Bombeiros explica que o aumento no nível se dá devido a vazante que ocorreu em algumas cidades, como Brasileia (1,16 metro); Xapuri (6,98 metros) e Assis Brasil (46 centímetros).

Porém, a previsão é que o Rio Acre se mantenha sempre acima dos 10 metros nos próximos dias. Ainda segundo o Corpo de Bombeiros, um estudo aponta que o rio pode chegar a 15,5 metros ainda neste ano de 2018.

Segundo coordenador de Defesa Civil de Rio Branco, coronel George Luiz, o mês de fevereiro tem previsão de muita chuva, por isso o monitoramento dos mananciais continuam sendo diário em vários pontos do rio Acre.

Previsão do tempo para os próximos dias

A previsão do tempo para o Acre e região aponta uma alta probabilidade de ocorrência de chuvas fortes e volumosas, em muitas áreas, podendo causar sérios transtornos à população de pontos vulneráveis, como rápida inundação de ruas, transbordamento de córregos e igarapés, queda de galhos e árvores e deslizamentos de terra, aponta o pesquisador meteorológico, Davi Friale, em seu site O Tempo Aqui.

A elevada umidade do ar, o calor e a chegada de uma frente fria fraca deixam o tempo extremamente instável, com muitas nuvens e chuvas a qualquer momento, que podem ser intensas e prolongadas, no Acre.

FOTO/ MARCOS VICENTTI/ ASCOM PMRB
Bairros foram atingidos pela forte forte chuva que caiu em Rio Branco (Foto Alan Dinarte/ Arquivo pessoal )
Assuntos desta notícia