Coluna Política Local – 05/11/2017 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 05/11/2017

Inês é morta
O grande embate da semana não é se Luís Tchê, presidente do PDT, conseguirá manter o nome do secretário Emylson Farias (PDT) como vice na chapa majoritária da FPA, mas se manterá viva a chapinha na disputa a Câmara Federal. O que se comenta nos bastidores é que a ideia, defendida com unhas e dentes por Tchê, já tem prazo de validade.

Adesões
Tchê diz que não recua nenhum milímetro, porém, a ideia do presidente do PT, Daniel Zen, sobre a formação do chapão, vem ganhando fortes adesões. Questão de tempo para os “nanicos” anunciarem o fim da chapinha.

Será que vai?
Isso me faz lembrar que um dirigente do PRB chegou a anunciar que se a chapinha se desfizesse o partido deixaria a FPA. Será que vai cumprir a promessa?

Dentro da lei
Conversei com o vereador Mamed Dankar (PT) sobre a notícia de que estaria supostamente acumulando funções de forma ilegal. Além de negar a informação, o vereador ainda apontou os dispositivos legais que o permitem continuar na vereança e retornar à função de servidor púbico do Estado. Além de uma lei estadual, ele também está amparado pela Constituição Federal.

Ele disse
“Estranho que somente a mim estejam imputando esse direito adquirido, como ‘aparente ilegalidade do ato’, sem, no entanto, apontar qual legislação eu estaria infringindo, deixando transparecer o que poderia ser algo casuístico”, disse Dankar.

Tudo certo
O petista disse ainda que uma atividade não será prejudicial a outra, tendo em vista que serão exercidas em momentos distintos. Portanto, seu retorno a função de servidor público não possui nada de ilegal, muito menos de imoral. Lamentável que determinadas informações ainda sejam tratadas de forma tão irresponsável.

Vão ceder
Conversei com um dirigente do PMDB acerca do chapão da oposição na disputa a Câmara Federal. Questionei se a ideia já havia sido descartada e a resposta que obtive foi: “Desistir porque se é uma questão de tempo para eles se chegarem?”. Ou seja, os peemedebistas estão confiantes de que o chapão irá acontecer.

Vai apoiar
Corre a notícia nos bastidores da política de que o prefeito André Maia ainda não teria descartado a ideia de apoiar a candidatura do prefeito Marcus Alexandre (PT) ao governo do Acre no próximo ano. Pelo visto Ney Amorim não é o único petista que vem conseguindo o apoio de membros da oposição para a campanha de 2018.

Na oposição
O deputado estadual Jesus Sérgio (PDT) voltou a analisar a possibilidade de deixar a FPA e ingressar em algum partido da oposição. O fato somente se efetivará caso a “chapinha” dos partidos nanicos se desintegre. Ele sabe que sua candidatura a Câmara Federal será extremamente difícil se aderir ao chapão.

Projeto de lei
Por falar no pedetista, essa semana ele apresentou um PL que regulariza o tempo nas filas dos bancos. Vejamos se terá mais sorte que os vereadores. Já existe uma lei municipal que, diga-se de passagem, não surtiu o efeito desejado e é descaradamente desrespeitada.

Ainda revoltados
Os progressistas ainda não engoliram o fato de Márcio Bittar (PMDB) ter tirado Vanda Denir do PP. Dizem que ele foi o principal articulador da saída da procuradora do PP para o Solidariedade. Tem uma parte dos progressistas que já jogaram a toalha quanto apoiar a candidatura de Bittar ao Senado por conta desse situação.

Criticada
Quando o assunto é o apoio à candidatura de Marcus Alexandre (PT), a ex-prefeita Toinha Vieira (PSDB) ainda continua sendo bastante criticada. Setores da oposição ainda não engoliram o fato dela se juntar a um candidato petista em detrimento de um da oposição.

Ela ganha I
Independente de qual partido se filei, a deputada Maria Antonia tem grandes chances de se reeleger. Ela tem um sólido trabalho social e uma interação muito forte com o eleitorado do Juruá.

Ela ganha II
E não podemos nos esquecer que na eleição passada, Maria Antonia saiu vitoriosa de uma aliança com o PT, portanto, densidade eleitoral é o que não lhe falta.

Está complicado
O ex-deputado Elson Santiago já sinalizou que será candidato a Assembleia Legislativa no próximo ano. Até aí tudo bem. As coisas começam a complicar quando se tratar de achar um partido ao qual se filiar. Muitos candidatos com medo de perder a vaga para Santiago.

No jogo
Confirmada a presença do ex-vereador Pedrinho Oliveira na eleição de 2018 a Aleac. Ele será candidato pelo PSD.

Assuntos desta notícia