Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 06.02.2018

De volta
Os deputados estaduais retomam as atividades no plenário da Aleac nesta terça-feira, 6. Em se tratando de ano eleitoral, a pergunta que não quer calar: será que teremos pouca rotatividade de parlamentares na Casa do Povo?

Mesmo ritmo
O deputado Jesus Sérgio (PDT) garante que da parte dele, não. Em entrevista ao Jornal A GAZETA, o parlamentar disse que continuará com o mesmo ritmo de trabalho dos anos anteriores. Claro que um pouco mais intenso já que é pré-candidato a uma das vagas na Câmara Federal.

Trabalhando
O pedetista frisou que nos dias de sessão estará presente na Aleac, já que tem um compromisso com a população. Nos demais dias, no interior consolidando seus votos. E é assim que deve ser. ]

Pensando igual
O pensamento de Jesus Sérgio é seguido pelos demais colegas de parlamento. O deputado Antonio Pedro (DEM) já sinalizou que continuará levando as demandas da população para serem debatidos no plenário da Casa.

Agora e depois
Pelo menos no primeiro semestre legislativo o ritmo é o mesmo dos anos anteriores. Vejamos o segundo, quando a eleição está mais perto de acabar.

Derrubando o veto
Com o retorno das atividades na Aleac, as atenções se voltam à votação que derrubará ou não o veto governamental em torno do projeto do deputado Raimundinho da Saúde que transformou o Pró-Saúde em autarquia.

Votando contra
Já se comenta nos bastidores que alguns dos deputados que votaram a favor da aprovação da matéria estão propensos a votar favoráveis à manutenção do veto. Raimundinho ainda não se deu por vencido e está confiante que sairá vitorioso dessa batalha. Ver para crer.

Indo bem
O deputado Lourival Marques (PT), de acordo com o Sistema de Apoio ao Processo Legislativo (SAPL), está entre os mais produtivos da Aleac em 2017. O resultado não foi nenhuma surpresa. Sempre foi presença constante nos municípios ouvindo a população e levando as demandas para a Aleac. É um parlamentar extremamente atuante e defensor de investimentos no setor agrícola do Estado.

Reeleito
O bom trabalho que vem desenvolvendo na Aleac lhe proporcionará seu retorno à Casa, sem dúvidas.

Bem votada
Não duvido que a ex-deputada Antonia Sales (PMDB) possa ser a mais votada pela oposição na eleição deste ano. Ela é boa de voto. Mesmo sem mandato, continuou com seus projetos e se fortaleceu nos últimos anos.

E daí?
Muitos burburinhos em torno da declaração do irmão do senador Sérgio Petecão (PSD), o empresário Xis, de que o segundo voto dele ao Senado é de Ney Amorim (PT). E daí? Estranho seria dizer que votaria no Marcio Bittar (PMDB) depois dele ter supostamente acusado Petecão de caixa dois.

Pode votar sim
E outra coisa, se os próprios parlamentares da oposição estão declarando apoio a Amorim, qual o problema de Xis fazer isso? Nem mandato ele tem.

Fãs de Ney
Gehlen Diniz (PP0, Luiz Gonzaga (PSDB), Nicolau Junior (PP), Jairo Carvalho (PSD) são alguns dos oposicionistas que já sinalizaram apoio ao petista.

A pesquisa do corte
Circula nos bastidores da política que o prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro, teria usado o resultado de uma pesquisa de avaliação de sua gestão, supostamente encomendada pelo senador Gladson Cameli (PP), para justificar as demissões de seis secretários municipais indicados por seu padrinho político, Vagner Sales.

Ele nega
Aos que tentaram atribuir a “culpa” a Gladson pelo racha ocorrido entre Sales e Cordeiro, ele nega que tenha qualquer tipo de envolvimento. E vai além, nega ainda a existência de qualquer pesquisa.

Gladson disse
“O problema é do Vagner e do Ilderley. Eu nunca pedi para ninguém sair. Todas as vezes que acontece algo dentro da oposição tentam colocar meu nome. O único prejudicado nessas brigas sou eu. O Vagner me ligou, mas eu falei que o que tinha para falar sobre o assunto falei. Eu não apoio esse tipo de situação. Ilderley tem que sentar e conversar com o Vagner. Essa pesquisa é dele mesmo, eu não encomendei pesquisa nenhuma”, pontuou Cameli.

A briga continua
Uma coisa é fato: essa guerrinha entre Vagner e Ilderlei está longe do fim. Questão de tempo para que a imprensa noticie o próximo round desta briga. As coisas estão “amenas” porque Sales se mantém em silêncio acerca do assunto. Quando ele falar não sobrará pedra sobre pedra. Aí entenderão o motivo de ser conhecido como o Leão do Juruá.