Coluna Política Local – 06/12/2017 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 06/12/2017

Pedido de desculpas
O superintendente do Dnit no Acre, Thiago Caetano, enviou mensagem de áudio ao governador Tião Viana, pedindo desculpas e negando ter feito declaração a um jornalista, com críticas ao trabalho feito pelo Deracre na BR-364.
Caetano disse que as suas declarações foram distorcidas e politizadas indevidamente.

Palavras distorcidas
Caetano afirmou que o jornalista exagerou nas palavras. “A maioria das coisas colocadas ali foi politizada e não procede. Não falei mal do governador ou do governo”, esclareceu.

Crítica real
O superintendente do Dnit no Acre disse ainda que o único comentário crítico que fez, de maneira informal, é que, na opinião dele, não deveria ter sido alterado o sistema de abastecimento do Juruá, de balsa para estrada, sem ter certeza de que a rodovia estava pronta.

A resposta
Na resposta ao superintendente, o governador disse: “Caro Thiago, é bom esse esclarecimento pela verdade. Quem decidiu pela mudança da logística de transporte não foi o governo. Foi a opção de menor custo por parte do empresariado. Até quando a BR estava sob a responsabilidade do Estado, nós controlamos o peso. Depois que nós saímos ficou o Dnit, que descontrolou tudo do peso. Você lembra?”.

Fez sua parte
O Tião Viana disse que denunciou inúmeras vezes a falta de controle de peso na BR-364. Foi diversas vezes até Brasília com essa finalidade, mas nada foi feito pelo órgão federal.

Intriga?
O coronel Ulysses Araújo (Patriotas) respondeu às críticas do ex-deputado Marcio Bittar (PMDB) quanto à “desunião” na oposição, em decorrência de sua pré-candidatura ao Governo do Estado no próximo ano. Foi categórico ao afirmar que “união não significa candidatura única”.

Diálogo aberto
Ulysses afirma que, independente da opinião do grupo político de Gladson, manterá a pré-candidatura firme, mas que está aberto ao diálogo.

Apoio a Gladson
Indo na contramão do coronel, o PMDB, por meio de nota, reiterou o apoio à candidatura de Gladson Cameli (PP) ao governo. O presidente da sigla, deputado Flaviano Melo, fez questão de frisar que a união das forças políticas dentro da oposição é que será o fator determinante para um resultado positivo.

Candidatos
Quatro candidaturas ao governo já foram confirmadas. Marcus Alexandre (PT), Gladson Cameli (PP), Coronel Ulysses e Lira Xapuri (PRTB). A Rede já sinalizou que também pretende lançar um candidato.

No jogo
Confirmada a presença de Pedro Oliveira (PSD) na disputa a uma das vagas na Assembleia Legislativa em 2018.

Não creio
Não creio que a vereadora Elzinha Mendonça (PDT) vá deixar a Câmara para assumir o comando da Semeia. Não duvido de sua capacidade. Pelo contrário, se foi cotada é porque tem competência.

Burrice
O fato é que a saída de Elzinha beneficiaria diretamente Sandra Asfury, cujo marido, o ex-deputado Jamyl Asfury, disputará uma vaga na Câmara Federal pela oposição. Não dá para acender uma vela para Deus e ao diabo ao mesmo tempo.

Insatisfeitos
Cresce a insatisfação dos partidos nanicos contra Cesário Braga. Ocorre que, segundo alguns dirigentes, o petista anda convencendo algumas lideranças a deixar seus respectivos partidos e concorrer a uma vaga na Aleac pelo PT. Esses dirigentes só não podem esquecer que Cesário apenas faz os convites. As lideranças vão porque querem.

Quem vai apoiar?
O deputado Chagas Romão (PMDB) não tentará reeleição em 2018. Resta saber qual candidato apoiará no Alto Acre. Há quem diga que será o deputado Antonio Pedro (DEM), mas nada confirmado até o momento.

Decepcionado
A postagem do deputado Moisés Diniz (PCdoB), em sua página no Facebook, comentando como se sente ao retornar a Brasília nos dias de sessão, só mostra o quanto ele está cansado da velha política. A postagem só aumentou os rumores de que realmente não sairá candidato em 2018.

Mudando de partido
O ex-deputado federal Taumaturgo Lima vai se desfiliar do PT. Embora tenha recebido muitos convites, ainda não definiu para qual legenda irá.

Assuntos desta notícia