Coluna Política Local – 15/11/2017 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 15/11/2017

Teoria de conspiração?
Meio surreal essa teoria do vereador Rodrigo Forneck (PT) de que a OAB teria arquitetado um plano para inviabilizar a candidatura do prefeito Marcus Alexandre (PT), ao Governo do Estado em 2018. Forneck acredita que o Termo de Compromisso de Candidato criado pela entidade nas eleições de 2016, quando concorria à reeleição, nasceu com o objetivo de evitar a presença do petista na disputa do próximo ano. Menos, vereador!

Qual motivo?
A OAB é tida como uma das entidades mais sérias desse país. Em que ganharia tomando essa atitude? Não creio nessa teoria de conspiração.

Sem noção
Também acho uma tremenda besteira a oposição se valer disso para evitar que Marcus Alexandre se candidate. Se assim for, todos os vereadores que foram eleitos recentemente devem abdicar de suas candidaturas, afinal de contas, quando votamos, o que esperamos é que os eleitos concluem seus mandatos. Ainda que não declarem que o farão.

Não gostou
O vereador Juruna não gostou nadinha de ter que retirar da pauta de votação o projeto de lei de sua autoria que propõe a criação do Dia Municipal do Camelô. O impasse ocorreu devido à legalidade ou não do termo ‘camelô’ e da profissão. Mas, para o vereador, tudo não passou de um grande preconceito com a classe.

Sugestão
O secretário da mesa diretora da Câmara, Jackson Ramos (PT), chegou a sugerir substituir a substituição do termo camelô por Vendedor Ambulante, mas de anda adiantou. Acredito que o nome seja irrelevante, pois, o importa mesmo é a intenção. Só acho!

Briga no parlamento
Os deputados Raimundinho da Saúde (Podemos) e Jenilson Leite (PCdoB) quase foram às vias de fato na sessão de terça-feira, 14, na Assembleia Legislativa. Os parlamentares precisaram ser separados por seguranças da casa e outros deputados após se xingarem mutuamente durante uma discussão acalorada a respeito das competências da Comissão de Saúde da casa.

Ofensas
No calor do debate, os deputados chegaram a trocar ofensas. Jenilson chegou até a dizer que o colega se escondia atrás do sindicalismo para se portar como oportunista.

Mais
Embora o debate acirrado seja natural no parlamento, acredito que o respeito ao próximo é cabível em qualquer momento. Mas, não foi a primeira e provavelmente não será a última vez que isso acontecerá na Casa do Povo.

Juntos
O PRB, PV, PSOL E PSDC se fecharam em copas e determinaram que não aceitarão nenhum ninguém que tenha mandato. O objetivo é equilibrar a disputa entre candidatos.

No jogo
Confirmadíssima a presença do empresário Fernando Lage (DEM) na disputa ao Senado em 2018. Já se somam sete candidatos.

Sacramentado
Ainda que alguns partidos da FPA tentem emplacar nomes para ocupar a vaga de vice na chapa majoritário, não passarão disso. O secretário Emylson Farias é o dono da vaga. Já está mais do que sacramentado.

Juntos na disputa
O PSDB, PR, PSD e PMN caminharão juntos na disputa à Câmara Federal. A aliança já foi confirmada. Quanto ao PMDB, até o momento continua sendo persona non grata e foi excluído da chapinha.

Separados
Quanto à disputa ao parlamento estadual, pelo menos no que diz respeito ao PSDB, a sigla pretende caminhar sozinha.

É candidato
O ex-vereador Raimundo Vaz (PR) retorna na eleição do próximo ano como candidato a deputado estadual. Nos bastidores comenta-se que sua candidatura está bem organizada e vem para ganhar.

Será?
Cogitou-se ainda a presença do vereador Juruna na disputa por uma vaga na Aleac. Até o momento o parlamentar não confirmou ou negou o assunto.

Não é candidata
Não procede a informação de que a jornalista Mara Rocha, irmã do presidente do PSDB, Major Rocha, será candidata em 2018. O tucano negou os rumores.

Tem espaço
Embora alguns partidos tenham fechado suas portas para o ex-deputado Chico Viga, o presidente do PDT, Luiz Tchê anda fazendo o contrário. Se depender do pedetista, Viga sairá candidato pela sigla, ainda que o deputado Heitor Junior não queira.

Assuntos desta notícia