Coluna Política Local – 30/11/2017 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Local – 30/11/2017

Ótima notícia
Os servidores do programa Pró-Saúde receberam com alegria a notícia de que as demissões seriam suspensas temporariamente. O governador Tião Viana decidiu reabrir o diálogo junto ao Ministério Público do Trabalho e verificar a possibilidade de as demissões ocorrerem somente entre os cargos comissionados. Acho justa a decisão. Mas, para isso acontecer precisa do aval do MPT. Uma nova batalha se inicia.

Solução viável
Para o deputado Daniel Zen (PT), essa nova solução dada pelo governo é mais viável do que a aprovação do PL proposto pelo colega Raimundinho da Saúde.

Já gerou os efeitos
Para Zen, mesmo que se altere a lei pode ser que ela não chegue a abranger os servidores, tendo em vista que proposta de lei não retroage no tempo para ferir o direito adquirido, ato jurídico perfeito e coisa julgada. E, nesse caso, o TAC se caracteriza como ato jurídico perfeito, ou seja, já foi celebrado e já gerou seus efeitos.

Está no direito
O vereador Emerson Jarude (Livres) foi criticado por uma parcela da oposição por não aceitar a proposta do senador Gladson Cameli (PP) para se unir a ele na disputa ao governo do Acre em 2018. E o livre arbítrio, oposição?

Período conturbado
O embate entre os deputados Daniel Zen (PT) e Gehlen Diniz (PP), ocorrido na sessão de ontem, 29, na Aleac, só comprovou que o processo eleitoral do próximo ano será tenso. Talvez não ocorra ataques diretos entre os candidatos majoritários, mas o mesmo não se pode dizer dos dirigentes, lideranças e detentores de mandato. Ontem foi só uma prévia do que virá.

Não foi condenado
Sem dúvidas, a oposição vai tentar usar a Operação Buracos para atingir o prefeito e candidato ao governo, Marcus Alexandre. Nesse caso, é de extrema importância destacar o que Daniel Zen falou na tribuna da Aleac: “não existe nenhuma condenação contra o prefeito”. Não se pode jogar em uma vala o Princípio da Presunção da Inocência. Nunca!

Apoiando Ulysses
O empresário Fernando Lage (DEM) declarou apoio ao pré-candidato ao governo do Estado, coronel Ulysses (Patriotas). Lage faz parte do pequeno grupo de democratas que deseja ver o militar à frente do comando do Acre.

Vai ficar
O ex-deputado federal Chicão Brígido (PDT) afirmou a esta Coluna que não existe a mínima possibilidade do PDT deixar a chapinha para a Câmara Federal, corroborando o que já vem sendo dito pelo presidente da sigla. O único motivo que tira o partido dessa aliança é se decidir sair com uma chapa própria.

Não precisa
O PRB-PODEMOS-PDT não querem o PROS na composição da chapinha pela disputa ao parlamento estadual. O motivo: medo da deputada Maria Antonia. E com razão. Ela tem uma base forte e certamente será uma das deputadas que retorna à Aleac na próxima legislatura.

Tem força
E se tem uma coisa que Maria Antonia não tem medo é de se unir ao PT. Na última eleição foi reeleita dentro de uma chapa com o PT.

Pegando mal
O fato do ex-deputado Jamil Asfury (PSC) disputar a eleição de 2018 pela oposição e sua esposa, a pastora Sandra Asfury (PDT), pela situação, tem gerado muita desconfiança. Estaria na oposição apenas para garantir uma vitória? Esse tem sido o questionamento.

Não vai
Não acredito que o Tião Bocalom (DEM) possa aceitar a proposta para ser o vice de Gladson Cameli na disputa pelo governo. Ouvi de um dirigente democrata que ele não bota mais fé na eleição do progressista, por isso resolveu se afastar. Seus olhos estão voltados agora ao Coronel Ulysses.

Tudo pode acontecer
Mas, como na política tudo é passível de acontecer, não seria surpresa nenhuma que Gladson anunciasse a união entre o PP e DEM.

Deixando o partido
Outra informação é que já tem muita liderança democrata de malas prontas. Caso Bocalom negue o pedido, só apresentarão a carta de desfiliação e migrarão para outros partidos. A crise no Democratas tende a piorar ainda mais.

Em Brasília
Expulsa do PMDB na semana passada por decisão do Conselho de Ética do partido, a senadora Kátia Abreu, sem papas na língua, chamou o presidente da legenda, senador Romero Jucá (PMDB-RR) de “canalha, crápula e ladrão de vidas”. O desabafo ocorreu na sessão de ontem, 29.

Ela disse
A senadora disse também que a cúpula do PMDB não tem condições morais e virou um “escárnio da nação”.

Motivo da expulsão
A expulsão de Kátia Abreu do PMDB é assunto desde setembro do ano passado, depois que ela votou contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff.

Assuntos desta notícia