Coluna Política Nacional – 30/11/2017 – Jornal A Gazeta

Coluna Política Nacional – 30/11/2017

Planos: faturamento é maior que o PIB de 19 Estados
O faturamento anual das operadoras de planos de saúde que atuam no Brasil, no valor de R$178,4 bilhões, é tão escandalosamente elevado que supera o PIB de 19 Estados, segundo dados mais recentes do IBGE. A soma das riquezas dos planos de saúde só não e maior que o Produto Interno Bruto (PIB) dos três Estados do Sul (RS, PR e SC) e mais São Paulo, Rio de Janeiro, Minas, Bahia e o Distrito Federal.

Com folga
O setor de planos de saúde fatura mais que todos os Estados da região Norte. No Nordeste, rivaliza só com a Bahia (R$245 bilhões).

Cumplicidade
Com a parceria da Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS), os planos de saúde viram o lucro líquido subir 70% de 2015 para 2016.

Tudo dominado
O poderoso lobby dos planos de saúde acaba emplacando seus ex-empregados em cargos de direção da “agência reguladora” ANS.

Barba, cabelo…
Além de controlar vontades no governo, os planos de saúde também investem em campanhas eleitorais. Foram R$55 milhões em 2014.

Luislinda somente sai do governo com o PSDB
Apesar do clamor de governistas pela demissão imediata da ministra Luislinda Valois (Direitos Humanos), Michel Temer só vai dispensá-la quando os demais ministros do PSDB deixarem o governo. Ela não consegue justificar sua presença no ministério, e só consegue chamar atenção ao protagonizar episódios negativos, como quando reclamou de “trabalho escravo” por receber menos de R$61,7 mil por mês.

Ela é tucana
Luislinda Valois é tucana de carteirinha e foi indicada pelo PSDB para assumir a Secretaria de Direitos Humanos, com status de ministra.

Humilhação, não
O presidente tem dito que Luislinda não pode sair de maneira “humilhante”, isoladamente, como se fosse uma punição.

Sem largar o osso
O PSDB já não faz parte da base de apoio ao governo no Congresso, mas também não larga o osso: ainda ocupa centenas de cargos.

Capilaridade é tudo
Geraldo Alckmin tem seus instantes de ingenuidade. Fazer da saída do governo uma bandeira pode agradar a turma da pizza de domingo, no Morumbi, mas pode lhe custar importante aliança em 2018: o PMDB é três vezes maior que o PSDB, e está em todos os municípios do País.

Nos braços do ex
O ministro Eliseu Padilha (Casa Civil) foi claro: com os tucanos fora da base de apoio ao governo no Congresso, o PMDB está liberado a fazer alianças estaduais com quem bem quiser. Inclusive o PT.

Pergunta na Receita
O mistério intriga até os petistas: quem sustenta Lula? Para juntar os R$16 milhões bloqueados pela Justiça em suas contas, ele não poderia gastar por 27 anos um centavo dos R$50 mil mensais que diz receber.

PSDB de volta ao muro
O deputado Carlos Sampaio (SP) tucanou a paixão do seu partido pelo “muro”, explicando que os deputados deixam o governo, mas não viram oposição, votando de acordo com suas consciências. Ou seja, descem do muro quando for conveniente, para serem pró ou contra o governo.

Crise subestimada
A um mês do fim do ano, as receitas do governo bateram R$2,3 trilhões e estão longe dos R$3,4 trilhões previstos no início de 2017. Se mantiver o ritmo, a arrecadação será de apenas 75% do esperado.

Recado de Barroso
O ministro Luís Roberto Barroso, do STF, passou na 23ª Conferência Nacional da Advocacia, em São Paulo, para deixar o recado, sem dizer a quem: “O poder não serve para perseguir inimigos e ajudar amigos”.

Pelo menos na Previdência
A maior preocupação do governo são as aprovações de projetos da “agenda econômica” de Michel Temer. Mesmo sem o apoio do PSDB, o governo espera os votos tucanos na reforma da Previdência.

Sem consequência
O assunto da hora nas redes sociais é denúncia de injúria racial contra a filha de atores da Globo por uma blogueira brasileira naturalizada americana que mora no Canadá, onde não poderá ser punida.

Pensando bem…
…para abandonar emprego tão ambicionado, como de procurador da República, por escritório privado, a “lambança” deve ter valido a pena.

Assuntos desta notícia