Da ex com amor – Jornal A Gazeta

Da ex com amor

Sempre que estamos interessados por outra pessoa, imaginamos que ela está sozinha no silêncio do seu quarto, refém de um castelo com mura-lhas e dragões, sempre a espera de seu salvador. Não nos importamos em passar vergonha por querer tentar que dê certo um possível relacionamento.

Os casos mais propícios a se tentar, são os relacionamentos já existes, sempre temos um carinho, um sentimento ou uma atenção maior por certas amizades. Essas são as primeiras experiências que tentamos para amenizar o frio de julho ou o cinema de um final de semana e quem sabe uma loucura a dois por um mundo a fora.

Mas no decorrer destas tentativas, estamos destinados a da certo ou não. Quando tudo da certo entre as partes, o mundo é mais doce e gira mais rápido, pois queremos está do lado de quem se ama por muito tempo. E quando não da certo ou se chega ao fim?

Que aperte o play para ouvir dele, aquele (a) que nunca pegou um fora de uma amizade. Erga o braço aquele que em confidências com a amizade combinaram que nada iria mudar ou que os ex relacionamentos ficariam numa boa. Quem nunca passou por esses ensinamentos que a vida nos trás?

Este escriba de curta idade, mas de incontáveis foras sabe o que são essas versões que a vida apresenta para todos. Já sustentou o maior sorriso ao vê sua amiga amada sendo pedida em namoro e noivado, em outra sustentou uma falsa felicidade enquanto outra dizia “eu aceito” durante o casamento que ele fotografou. E quando aquela outra o chamou para um final de semana, logo após um beijo lhe disse que iria casar.

E este jovem desistiu da felicidade a dois? Claro que não. O melhor remédio para se esquece um amor frustrado, é buscar outro, como aquela moça de olhos verdes e vestido tubinho, que ele nem a conhecia e já se lançou. Quem sabe aquela outra que ele viu no restaurante e pediu para sentarem juntos e outros amigos já se perguntavam quem seria aquela companhia.

Uma moça me fez esquecer as outras e renovar a esperança de que mesmo após um relacionamento, pode existir uma boa relação entre homem e mulher. Já fazia quase dois meses que não nos falávamos por conta de uma briga, de repente o alerta do celular toca, era ela pedindo jornais para o cachorro. Ela sabia que tenho. Levei de bom grado, era caminho para onde eu ia. Abraça-me, beija-me como uma assinatura e agradece por tudo e que deseja felicidades a nova moça que ando saindo, mas que não esquecesse de que éramos e ainda quer minha amizade.

Mulher é bicho complicado, mas quando quer fazer, ela faz e o homem que é besta nem se toca. Não existe esse negocio de sexo frágil, na escola em que mulher foi ensinada, homem algum vai tirar dez e nem chegar aos pés. Mulher, mulher, mulher… Se nem James Bond resistiu, quem sou eu?!

* Victor Augusto (Bombomzão) é jornalista.
E-mail: Victor.ojornalista@gmail.com

Assuntos desta notícia