DÉCADAS DE MIOPIA AGUDA

Postado em 29/08/2015 22:06:13

Hoje dia 29/08/2015 é o Dia: Nacional de Combate ao Fumo, da Decapitação de São João Batista-mártir,

O ano de 2015 está sendo marcado pela onda de protestos e manifestações que representa o descontentamento da maioria da população brasileira, que teve início em 2013 por causa do aumento da tarifa do transporte público e suas condições precárias. Iniciou-se com os vinte ou trinta centavos de aumento na passagem do transporte público e acabou culminando nos temas mais polêmicos que tramitam pela alta cúpula da administração federal. A partir de então, o foco mudou para assuntos de grandes proporções que está colocando em risco a Soberania Nacional.

A estrutura do transporte público brasileiro consiste na utilização do ônibus, metrôs e trens, e os três ao mesmo tempo como acontece no estado do Rio de Janeiro e São Paulo e algumas outras localidades (São Paulo agora conta com mais um modal, o monotrilho com trechos já inaugurados). Conforme preconiza a Constituição Federal, o serviço deve ser administrado pelo poder municipal, mas deve, também, receber investimentos dos estados e do Governo Federal.

Na prática não é isso que se observa. Na grande São Paulo, 80% dos ônibus urbano é administrado pelo município (SPTrans – São Paulo Transportes) e o restante vinculados à Secretaria de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo, ônibus intermunicipal é administrado pela (EMTU – Empresa Metropolitana de Transporte Urbano) assim como o metrô e monotrilho (Metrô – Cia do Metropolitano de São Paulo), trens metropolitanos (CPTM – Cia Paulista de Trens Metropolitanos).

Os corredores segregados para ônibus, as obras do Metrô, passagem de linha férrea e agora com o monotrilho em construção, acabam trazendo divergências intermináveis e de pouca solução. Inegavelmente tudo isso acaba gerando um impacto visual, comercial e habitacional, principalmente àqueles que residem ou tem seu estabelecimento comercial no entorno, pois dependendo de como ficar o pós-obra, pode ou não valorizar o imóvel assim como pode melhorar ou não o movimento comercial num raio de cento e cinquenta metros, das paradas, terminais ou estações por onde passarão os diferentes modais.

O crescimento desordenado e rápido das metrópoles no pe-ríodo de 1930 a 1980 em que ficou nítida a mudança da economia do país que deixou de ser agrária e passou a ser industrializada, mudando, assim, a matriz econômica que deu início ao processo migratório campo-cidade, deixou a configuração espacial das nossas cidades de grande porte saturadas.

Com a intensa migração para os grandes centros, o encarecimento dos espaços (terrenos e moradias) nas partes centrais das cidades encareceram em detrimento da oferta e da procura e por dispor de transporte coletivo mais eficiente. Pelos motivos citados, as classes de menor poder aquisitivo, sem outra opção, instalaram-se nas periferias por causa do valor menor dos terrenos, mas com péssima infraestrutura como baixa acessibilidade e saneamento básico. Isto pressupõe que a classe com menor condição reside distante dos locais de trabalho ficando totalmente refém do transporte público coletivo ineficiente e de baixa qualidade, pois isso não foi priorizado ao longo das décadas em que ocorreu a migração em massa.

Tendo como ótica a aglomeração urbana cada vez mais densa, enxergamos que o espaço ocupado nas vias públicas, foi automaticamente adaptado para os automóveis sem pensar nos ônibus. Daí a dificuldade, hoje ano 2015, em fazer com que as cidades sejam mais acessíveis.

Quando membros dessa classe mais baixa consegue melhorar sua renda e tem acesso ao crédito, o primeiro impulso é adquirir um automóvel próprio justamente por ser, ele, desprivilegiado em sua mobilidade, mas sem ter noção de que será mais um a contribuir para o aumento do trânsito e suas consequências.

É preciso melhorar os serviços prestados, investir mais em infraestrutura, democratizar os espaços das cidades, melhorando a mobilidade e, principalmente, descentralizando os investimentos que hoje se encontram concentrados majoritariamente nos espaços, considerados mais nobres da maioria das grandes cidades. Não cometer os erros da atual gestão da prefeitura de São Paulo. A grande maioria das ciclovias estão nos espaços mais nobres da cidade que, basicamente, está privilegiando o lazer  dos “coxinhas” e não o transporte da periferia.

www.naganuma.com.br     
mn@naganuma.com.br     
Twitter – @mtnaganuma

editorial

Salvando vidas

 

Que o sistema público de saúde no Acre tem ainda suas deficiências não se pode negar. Porém, não se pode negar também que o Estado tem alcançado índices de excelência em alguns procedimentos importantes, que tem salvado muitas vidas, como os de transplantes de órgãos. Como se divulgou ontem, o Acre ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook