Em tua memória, oh meu santo poetinha!

Postado em 01/11/2016 00:46:31 Cláudio Porfiro

Ao nosso querido versejador do além. Como bem recomendado por todos os santos e orixás, também tem ele chegado lá, aqui ou acolá, sempre e à mercê dos melhores presságios, passando por mil estágios, a cada instante, mesmo sem tanta pressa, mas esforçando-se à beça, ainda com alguma parca poesia, pertinácia e teimosia, e sempre digno de haver sido confiado à divina providência, usando de certa dose de paciência misturada à boa malandragem e muita decência. Saravá!

Segundo a própria mãe natureza chega a pensar, ele é, sim, o bardo sem arrimo e sem berço rico, mas virtuoso o suficiente de forma a crescer e a prosperar mesmo nas boas e nas más fases. Ide em frente, oh vate seringueiro!

Diz, agora, a arte: ele é como todo bom brasileiro, que gosta porque gosta e está acostumado aos vaivéns diuturnos e ao felino voraz diário que deve ser morto à unha, ainda manhãzinha, nem que para que isto ocorra tenha, antes, que ir ver as tripas do ecologista do terceiro milênio que já não comia as onças magras e muito menos as gordas. Também, pudera! Ele não soube o que é passar fome.

Um pouco da arte que se derramou copiosa em ti, meu bom Vinícius de Moraes, no poeta seringueiro houve por bem cair tal e qual um leve borrifar, como se fosse o orvalho que desce do céu madrugada adentro.

Sim, a poesia do vate amazônico, aqui reclamado, é quase escorregadia por entre os dedos magros de bedel dos grandes poetas. É claro que, bem ao seu modo, vai ele guardando nos bolsos frágeis as devidas proporções entre os seus arrotos poéticos e a obra monumental do aplaudido e ofegante poetinha de Ipanema.
A lira amazônica é desafinada, pobre e rude, mas vai tocando festiva e bêbada e para a frente, da mesma forma que o trombone furado busca um som harmonioso que, na realidade, é roufenho, cansado e triste nas horas mais amargas e também nas ditas doces. Oxalá, oh Santo!

O Rio não é aqui e muito menos o Acre fica na Maravilhosa. E então, o que vem a ser essa tal arte que rega espíritos tão distanciados no tempo e no espaço?
Deixa está! O Flaubert disse um dia que o segredo da arte reside na sua própria beleza.

Daí, foi que ele piorou do mal que nos assola tal e qual as paixões mórbidas. Agora lembra Camões apaixonado. Depois lembra Drummond:
“… mundo, mundo, vasto mundo, se eu me chamasse Raimundo, seria uma rima, não seria uma solução”.

Tão rico!

Meio sem querer e sem jeito, o poeta do seringal foi chegando e baixando e saravando e alinhavando, aqui e acolá, alguma poesia que o engenho o faz parir, no meio do passeio público, sempre iluminado pela aura dourada do último grande sonetista do Brasil.

Ah, poetinha! É preciso dizer ainda que também ele tem vivido momentos de doçura e volúpia e libido fervente e infidelidade conjugal ou partidária, apesar dos polissíndetos, entre as musas e divas e ninfas e coelhinhas do seu tempo velho cansado de tantas guerras vencidas e tão poucas perdidas, nas graças que lhe são emanadas pelo Todo Poderoso. Saravá!

Sua bênção, avô Joaquim. Sua bênção, oh herói e estivador. Sua bênção, oh irmão Manuel, tu que hoje passeias de estrela em estrela até o infinito. Sua bênção irmão Marcos, tu que nos impregnaste com tantos exemplos dos bons. Sua bênção, oh poetinha! Você que não é um só e é tanto, tanto quanto o meu Brasil de Todos os Santos, inclusive o meu glorioso São Sebastião, (de Xapuri).

Ora veja!

Também a um, como ao outro, anima a arte de entretecer a palavra que pode brotar doce, comedida ou ácida, dependendo da ocasião que faz ou desfaz o cidadão.
Quando flameja o fogo das paixões dilaceradas pelos ciúmes e perturbações do amor, ambos falam das mulheres enquanto meras estátuas de talco, o que é um tanto difícil ocorrer, mas acontece.

A seguir, nos momentos em que todos os pássaros amazônicos são azuis, as deusas do tempo arregalam e enchem de júbilo a pobre poesia triste, o espírito sutil, vagabundo, fóssil, fútil e devasso do poeta de cá. Lamentavelmente.

Então, ele fica feliz e lembra o Mário de Andrade, modernista, beletrista, professor de música: a verdadeira poesia só nasce nos momentos de grande devastação íntima.

Ora bolas! Que assim seja, amém!

E por assim dizer, é como se no seringueiro houvesse um pouco de Vinícius, até mesmo a candidatura à morte prematura aos setenta e cinco anos. Também a boemia e o gosto pelo violão que ele não sabe tocar. Tudo isto, aliado à companhia das mulheres mais belas da aldeia e adjacências.

E ainda as flores, os acordes, a poesia, o uísque – o cachorro engarrafado – com o que todos se embriagam tão rapidamente.

Inspirem-se os dois, juntos e entretecidos. Então, assim ajustados, façam uma literatura de qualidade, ou não a façam nunca. É que hoje o seringueiro amanheceu Vinícius, como há cem anos passados. Foi cedo ao espelho. Vasta cabeleira clareada porque tingida ou pigmentada à caju, um gosto de azinhavre provocado pela bebida que não bebeu ontem, quando fez considerações supimpas segundo as quais as moças incultas e belas estão resguardadas dos pecados original e venial, porque mulheres bonitas não pecam, só atiçam libidos em desvantagem.

No futuro, quando te perguntarem sobre o que foi ter convivido, por tanto tempo, ao lado de um poeta menor, tu dirás que foi um período longo de pura poesia, encantamento e sedução diária. Hás de mentir, sim, porque a verdade pode tirar-te do aconchego do túmulo.

Ao versejador remendeiro de cá resta o ciúme e a inveja pranteada, doce, branda, posto que o poeta pegador namorou as divas mais belas do seu tempo, no grande baile do municipal, de Regina a Lila a Nelita a Cristina a Gilda a Marta, dentre tantas…
Ah, quem te dera!

*Escritor, autor do romance O INVERNO DOS ANJOS DO SOL POENTE, à venda nas livrarias Nobel, Paim e Dom Oscar Romero.

editorial

Uma boa medida

 

Como este jornal mostrou na edição de domingo, pelo menos, aqui, no Estado, as autoridades de segurança estão tomando medidas para evitar as chacinas que vêm se sucedendo em diversos estados com as disputas entre as famigeradas facções e, ao mesmo tempo, prevenindo e combatendo a criminalidade aqui fora com ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook