Estradas na fronteira: alternativas mais sustentáveis

Postado em 03/04/2017 23:21:35 Miguel Xavier, Nazaré Macêdo, Peter Ruiz e Foster Brown.

A Estrada do Pacífico ou Interoceânica é uma estrada binacional que liga o Acre ao litoral sul do Peru. Essa estrada facilitou o abastecimento de alimentos e de milhões de litros de combustíveis para o Acre durante o isolamento em 2014, causado pela inundação do Rio Madeira na BR-364 em Rondônia. A existência dessa estrada, com certeza, evitou que o racionamento desses itens fosse pior, entretanto, novas escolhas de transporte para a Amazônia merecem a atenção quando discutimos o desenvolvimento desta região.

Um exemplo atual da tensão entre transporte e desenvolvimento sustentável é a situação de Puerto Esperanza, uma pequena cidade peruana de menos de cinco mil habitantes na margem do rio Purus, localizada a cerca de 100 km de barco a montante da cidade acreana de Santa Rosa do Purus. Puerto Esperanza tem somente conexão aérea com o resto do Peru e o alto custo de vida e o isolamento têm produzido iniciativas que visam a construção de uma rodovia entre a cidade peruana de Iñapari e Puerto Esperanza.

Em agosto de 2016 o Congresso do Peru lançou o Projeto de Lei (PL) no. 75 demonstrando o interesse nacional nesta estrada. Essa rodovia se estenderia por 270 km no lado peruano, cortando o Parque Nacional de Alto Purus e reservas indígenas, inclusive contendo etnias em isolamento voluntário, levantando questões sobre direitos humanos e a resiliência socioambiental da região. O custo de manutenção da estrada seria extremamente alto para a pequena população de Puerto Esperanza, considerando as chuvas intensas e o grande número de rios e igarapés atravessados pela rodovia.

Além disso, essa estrada seguiria ao lado da fronteira com o Brasil, criando um fácil acesso ao Parque Estadual Chandless e áreas indígenas do Acre, potencializando invasões de madeireiros peruanos e a expansão do tráfico de drogas. A Polícia Federal e o Exército Brasileiro teriam mais 270 km de fronteira para controlar.

Levando em consideração esses possíveis impactos, tensões e custos da rodovia, o congresso peruano decidiu modificar o PL no. 75 em março de 2017, mudando a ênfase do transporte rodoviário ao incluir como prioridade o desenvolvimento sustentável de Puerto Esperanza e da Província de Purus. A modificação do projeto de lei peruano propõe usar o transporte multi-modal na região, utilizando caminhão e barco, conectando fornecedores de materiais de construção e outros insumos para Puerto Esperanza via Brasil.

No caso do transporte oriundo do Peru, o transporte passaria de caminhão de Inãpari via BR-317 e BR-364 até Manoel Urbano (550 km) e de lá transporte via barco levando materiais pelo rio Purus a Santa Rosa do Purus (360 km) e até Puerto Esperanza (100 km). Comparado a uma possivel estrada Iñapari-Puerto Esperanza, o transporte multimodal é inegavelmente mais sustentável, a logística criada por esse tipo de transporte poderia favorecer, inclusive, consumidores em Santa Rosa do Purus, outro município isolado no Acre.

A partir da atitude do congresso peruano, o governo brasileiro, com certeza, analisará cuidadosamente as melhores opções para desenvolver as fronteiras da Amazônia. Nós, enquanto professores, pesquisadores e sociedade civil queremos um desenvolvimento que aponte para mudanças significativas nos atuais paradigmas que envolvem as fronteiras da Amazônia e escolhas efetivamente sustentáveis.

As fronteiras do Acre com o Peru e a Bolívia não somente revelam a difícil condição pós-colonial desses países, mas revelam principalmente um esforço regional contra as tendências de intensificação dessa condição, buscando a inclusão e a participação democrática da opinião pública frente ao futuro que queremos construir para a Amazônia.

Hoje isso se reflete em escolhas que passam pela sensibilização da opinião pública sobre temas relevantes para o desenvolvimento regional e para as relações internacionais dessas fronteiras, incluindo novos diálogos sobre quais serão as escolhas para um futuro efetivamente sustentável.
Sem conhecer a História estamos sujeitos a reproduzir erros do passado, principalmente no desenvolvimento de novas relações, cada vez mais complexas entre países que dividem fronteiras.

Usufruímos dessa história buscando aperfeiçoar e promover um desenvolvimento sustentável para essa região, construindo relações sustentáveis e compartilhando problemas mundiais como, por exemplo, o narcotráfico, umas das principais preocupações e motivo dessas tensões nas fronteiras.

Miguel Gustavo Xavier, professor do Centro de Ciências Biológicas e da Natureza da Universidade Federal do Acre (CCBN/Ufac) e pesquisador dos Grupos de Gestão de Riscos de Desastres do Parque Zoobotânico (PZ/Ufac), Educação Patrimonial (GEP/Ufac) e Nanociência, Nanotecnologia e Nanobiotecnologia (NNN/Ufac).

Maria de NazaréCosta de Macêdo
Dsc Ciências Florestais, Pesquisadora Associada do Parque Zoobotânico, Coordenadora do Projeto Nedacre/AC.

Peter Ruiz Paredes, Discente, Engenharia Civil, UFAC.

Foster Brown, Pesquisador do Centro de Pesquisa de Woods Hole, Docente do Curso de Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (MEMRN) e do Curso de Mestrado em Ciências Florestais (CiFlor) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Cientista do Programa de Grande Escala Biosfera Atmosfera na Amazônia (LBA), do INCT SERVAMB e do Grupo de Gestão de Riscos de Desastres do Parque Zoobotânico (PZ) da UFAC. Membro do Consórcio Madre de Dios e da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais do Acre (CEGdRA).

 

editorial

Não há como ignorar

 

Não como ignorar ou negar – e o próprio secretário de Segurança Pública admite- que nos últimos dias houve nova investida das famigeradas facções criminosas com vários homicídios tanto na Capital como em algumas cidades do interior, onde até um aluno teria sido morto dentro da sala de aula. Porém, não ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook