Fontes de fumaça e a Navalha de Ockham

Postado em 03/10/2016 23:31:24 Foster Brown e Sonaira Silva

Estes dias estamos no meio de um evento extremo climático – uma seca severa – que produz condições propícias para queimadas e consequentemente fumaça. Como exemplo, nos dias 23 e 24 de agosto deste ano a cidade de Rio Branco estava coberta com fumaça. Se continuar a seca como aconteceu nos anos 2005 e 2010, podemos ter outros dias assim, portanto vale a pena analisar um pouco de onde vem a fumaça e isto envolve entrar no processo científico ena aplicação da Navalha de Ockham.

A ciência, ao contrário da matemática, não prova nada, mas junta evidências a favor ou contra explicações de como a natureza funciona. Estas explicações mudam com tempo quando novas observações e teorias aparecem. No caso da fumaça, podemos aplicar a lei de conservação de massa, poeticamente colocada na frase atribuída ao cientista francês Lavoisier: “Na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma”. Mas Einstein indicou que esta lei é simplesmente uma aproximação do que já havia mostrado, que massa pode ser perdida e transformada em energia, como acontece no Sol. Mesmo assim, a lei é uma boa aproximação para compreendermos as fontes de fumaça.

No caso da fumaça em Rio Branco, a lei de conservação de massa implica que a fumaça pode vir de três fontes:(1) queimadas dentro da cidade; (2) queimadas fora da cidade mas dentro do estado do Acre; e (3) queimadas fora do estado do Acre.

No primeiro caso, esperamos fuligem e uma variação de concentração da fumaça na cidade. Se o vizinho queima no quintal dele, a fumaça seria densa, mas ela vai reduzir com a distância. No caso (2) as concentrações de fumaça seriam mais uniformes na cidade e com pouca fuligem. No caso (3), notamos em 2004 que ventos fortes associados à frentes frias podem trazer fumaça de longe, por exemplo, de queimadas em Beni e Santa Cruz na Bolívia,e afetar a qualidade do ar em Rio Branco. Ventos fortes do norte e nordeste podem trazer fumaça do Amazonas ou Rondônia.

As três fontes de fumaça contribuem para piorar a qualidade do ar em Rio Branco, mas qual é a maior fonte?A resposta depende das evidências e teorias disponíveis e muda com tempo. Se tiver muita fuligem, ela indica que as fontes estão bem próximas,na cidade.

No caso de fumaça uniforme, a determinação é mais complicada numa seca generalizada como aconteceu em 2005, 2010 e agora, em 2016. Quando se queima fora do estado do Acre, estamos também queimando dentro do estado, dificultando a distinção entre as duas fontes.

Podemos usar uma heurística de filosofia, ou seja, um guiapara encontrar explicações, chamado a Navalha de Ockham. Na verdade foi um frei chamado Guilherme que nasceu em Ockham. Elepropôs a ideia no século 14,de não complicar explicações mais do que o necessário. No caso de fumaça, isto gera uma série de possíveis explicaçõespara testar, que vão das mais simples às mais complexas.

A mais simples explicação para fumaça seria que alguém na vizinhança está queimando algo, mas podemos rejeitar esta ideia se não tiver fuligem e se a fumaça não for uniforme por centenas de metros ou quilômetros.

A segunda explicação seria que a fonte está fora da cidade, mas dentro do estado do Acre. Para ter uma avaliação mais confiável podemos analisar os focos de calor de satélites e talvez tenhamos imagens de satélite ou relatos de indivíduos que indicam movimentos de nuvens de fumaça.

Se não encontrar estas evidências, é a hora de testar a explicação de que a fumaça vem fora do estado. Para a fumaça chegar de longe, precisa de duas condições: muitas queimadas gerando fumaça e ventos fortes e consistentes destas queimadas até Rio Branco.

No caso dos dias 23 e 24 de agosto em Rio Branco, a fumaça foi quase uniforme na cidade, sugerindo que a fonte não foi dentro de Rio Branco. Imagensdo satélite Aqua nas tardes de dias 22 e 23 de agosto mostraram fumaça oriunda de queimadas perto de Capixaba e Senador Guiomard. As nuvens de fumaça nas imagens estavam movendo-se no sentido sudeste para noroeste, sugerindo que para as manhãs de 23 e 24 de agosto, estas queimadas foram as fontes principais da fumaça em Rio Branco. Nestas imagens não foi observada fumaça densa atravessando a fronteira com a Bolívia ou com o estado do Amazonas.

A fumaça causa sérios problemas a saúde humana e afeta o funcionamento dos ecossistemas. A origem da fumaça é importante, entretanto mais importante é entender que ainda estamos no início de setembro, mês tipicamente com maior registro de queimadas e incêndios florestais no Acre.

Em 2005 e 2010, cerca de metade dos focos de calor do ano inteiro aconteceram em setembro. Nestes anos, mais de 300.000 e 100.000 hectares de floresta queimaram no Acre, respectivamente, gerando muito fumaça. Em 2005 o primeiro autor notou durante sobrevoos,grandesáreas de florestas queimando, produzindo densas nuvens de fumaça.

A Navalha do Ockham não é infalível, mas serve para priorizar a busca deexplicações. Este setembro foi um poucocomo os de 2005 e 2010 e tivemos outros eventos de fumaça na cidade, porém com menor intensidade.

As secas severas não causam, somente propiciam a geração de fumaça. Somos nós, seres humanos, que decidimos usar fogo e gerar fumaça na Amazônia. Esperamos que em secas futuras possamos escolher ter ar limpo dentro e fora do estado do Acre.

Foster Brown, Pesquisador do Centro de Pesquisa de Woods Hole, Docente do Curso de Mestrado em Ecologia e Manejo de Recursos Naturais (MEMRN) e do Curso de Mestrado em Ciências Florestais (CiFlor) da Universidade Federal do Acre (UFAC). Cientista do Programa de Grande Escala Biosfera Atmosfera na Amazônia (LBA), do INCT SERVAMB e do Grupo de Gestão de Riscos de Desastres do Parque Zoobotânico (PZ) da UFAC. Membro do Consórcio Madre de Dios e da Comissão Estadual de Gestão de Riscos Ambientais

Sonaira Souza da Silva, Professora da UFAC e Doutoranda em Ciencias de Florestas Topicais do Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia.

editorial

Até que enfim

 

Até que enfim parece que os deputados, tanto da oposição como da situação, fizeram uma cobrança conjunta e incisiva sobre a necessidade urgente de o Dnit começar a recuperação da BR-364, no trecho para Cruzeiro do Sul. Como se noticiou ontem, os deputados alertaram que, se medidas urgentes, não forem tomadas ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook