Gazetinhas 05/01/2017 – Jornal A Gazeta

Gazetinhas 05/01/2017

*Mal as festas acabaram e o povo já tá falando em feriados…

*Vai com calma, jovem!

*E o pior é que, este ano, o calendário estadual vem caprichado de folgas e “pontos facultativos”.

*Dos 15 feriados programados no ano, 14 cairão em dias úteis;

*Além dos pontos facultativos (aqueles em que ninguém trabalha também), dos quais quatro, dos sete do calendário, cairão no meio da semana.

*E é cada “data comemorativa” ó…

*Somente agora em janeiro, tem o “Dia do católico”, dia 20, uma sexta-feira;

*Seguido pelo “Dia do evangélico”, dia 23, na segunda.

*Não dava pra fazer só um “Dia do cristão” e unir todos os religiosos numa data única, não?

*Cri cri cri.

*Com a palavra, os empresários, que tem que pagar os extras aos funcionários, se quiserem manter o mínimo do ritmo e da produtividade dos negócios em dia.

*Ai ai.

*Ainda sobre produtividade e polêmicas…

*Boa notícia para os usuários do sistema público de Saúde foi o lançamento do aplicativo de celular que permitirá o acesso a informações sobre a escala dos médicos na Capital.

*O programa divulgará, gratuitamente, os nomes e as especialidades dos médicos que estão atendendo em determinadas unidades de saúde;

*Bem como os horários de entrada e saída deles.

*E permitirá que a população registre as denúncias e sugestões em relação ao atendimento que recebeu (ou não) do profissional.

*Uma iniciativa bem intencionada do secretário Gemil Júnior, mas que tem recebido duras críticas do Sindicato dos Médicos do Estado.

*É que, segundo o Sindmed, o software expõe demais a rotina dos médicos, podendo torná-los, inclusive, alvos de bandidos.

*Além disso, não permite os registros quando há troca de plantonistas, o que poderia causar danos à imagem dos profissionais.

*Huuuum…

*Bobagem.

*Corporativismo à parte, a verdade é que a ausência dos médicos plantonistas nas unidades de Saúde pública é um problema grave e recorrente não só no Acre, mas em todo o país.

*Médicos estes que são contratados e pagos com dinheiro público para prestar serviço à população.

*Portanto, nada mais justo do que quem pague a conta possa fiscalizar se o serviço está sendo feito conforme foi acordado.

*As eventuais falhas no sistema podem ser corrigidas no decorrer do uso…

*Mas, a proposta em si é boa e merece ser aperfeiçoada em conjunto.

*Ponto para a Sesacre!

*E agora, mais do que nunca (!), o desafio de garantir o retorno eficiente às denúncias do povão sobre os problemas no atendimento.

*Porque sem esse feedback, não vai ter programa de computador que dê jeito.

Assuntos desta notícia