Gazetinhas – 24/11/2017 – Jornal A Gazeta

Gazetinhas – 24/11/2017

*Pânico, terror, loucura!
*Mais um episódio surreal da onda de violência que assola o Estado aconteceu, na tarde de ontem, em um dos mais movimentados e tradicionais supermercados da cidade.
*Um homem armado invadiu o estabelecimento em perseguição a outro, que entrou no supermercado para se esconder.
*Segundo testemunhas (muitas!), o ápice da “caçada” ocorreu quando o perseguido caiu no chão e o outro homem, armado, preparou a arma para o disparo.
*A correria, a gritaria, por motivos óbvios, foi geral.
*Por sorte, a arma falhou…
* Três vezes!
*Socorro!
*E os dois conseguiram fugir, sendo um deles capturado pela polícia alguns minutos depois.
*O coração vem na boca só de pensar.
*Imagine só você estar num supermercado, em plena 4h da tarde, muitas vezes acompanhado dos filhos, e, de repente, aparecer uma dupla de meliantes ameaçando uma troca de tiros?!
*Daquelas situações que jamais imaginaríamos passar em qualquer lugar do mundo…
*Tampouco, na nossa outrora tão pacata cidade de Rio Branco.
*Enfim…
*Ainda na editoria policial, preocupante também a notícia sobre a morte de uma adolescente de 16 anos, cujo corpo foi encontrado no Rio Acre, na última segunda-feira.
*A morte poderia se mais um caso de afogamento ou suicídio, como tantos outros (mais de 400!) que já ocorreram somente este ano, no Estado.
*O que, por si só, já seria triste e lamentável sob todos os aspectos.
*Mas, ocorre que a jovem era filha de Emmanuel Opok, o sul-africano ex-motorista do ex-coronel Hildebrando Pascoal, e que foi um dos delatores que contribuiu com o Ministério Público, à época, para formular as denúncias contra o Esquadrão da Morte.
*Quase 20 anos depois das prisões de Hildebrando e cia., a polícia não descarta a hipótese de a morte da adolescente ser o primeiro caso de uma possível vingança de membros do Esquadrão.
*Valei-me!
*Não é muita teoria da conspiração, não, delegado Rêmolo Diniz?!
* “Não podemos descartar nada. Tudo é possível. Vamos esperar o laudo o IML e investigar as pessoas que tiveram contato com a vítima”, afirmou ele, sem apontar novas pistas.
*Tá certo.
*Vamos acompanhar.
*Não havia drogas nos caminhões da Acreaves apreendidos com mais de R$ 300 mil, na noite da última terça-feira, no Quinari.
*Menos mal, né?
*Ainda assim, continua estranha, muito estranha essa história de transportar tanto dinheiro em espécie, divido em três caminhões.
* “Não existe agência bancária em Brasileia, não?”, alfineta um curioso que passa pela redação.
*Eu, hein.
*Mistéeeerio!

Assuntos desta notícia