Governo federal propõe mínimo de R$ 1002, porém Dieese aponta que o valor deveria ser de R$ 3.706,44 – Jornal A Gazeta

Governo federal propõe mínimo de R$ 1002, porém Dieese aponta que o valor deveria ser de R$ 3.706,44

Apesar da proposta do governo federal ser de aumentar o salário mínimo para R$ 1002 no ano que vem, o valor ainda muito distante do considerado como “necessário”, segundo cálculo do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o valor é 3,89 vezes o salário atualmente em vigor.

De acordo com o órgão, para suprir as despesas de uma família de quatro pessoas com alimentação, moradia, saúde, educação, vestuário, higiene, transporte, lazer e previdência, seria necessário R$ 3.706,44 ao mês em março deste ano.

A proposta representa alta de 5% em relação ao atual (R$ 954). O valor consta do projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2018, apresentado nesta quinta-feira, 12, pelos ministros do Planejamento, Esteves Colnago, e da Fazenda, Eduardo Guardia.

Será a primeira vez que o salário mínimo, que serve de referência para cerca de 45 milhões de pessoas, ficará acima da marca de R$ 1 mil. A proposta será encaminhada agora ao Congresso. Entretanto, o governo ainda pode mudar o valor caso haja alteração na previsão para a inflação deste ano, que compõe a fórmula para o cálculo do reajuste do mínimo do ano que vem.

O Ministério do Planejamento também projetou salário mínimo de R$ 1.076 para 2020 e de R$ 1.153 em 2021. Os valores são estimativas e ainda precisam ser aprovados.

A atual regra de cálculo do salário mínimo, que leva em conta a inflação e o crescimento da economia, é garantida por lei até 2019. Em 2017, o PIB cresceu 1%.  No caso de aposentados e pensionistas do INSS, a regra vale apenas para os que ganham até 1 salário mínimo. Quem ganha mais, recebe apenas o reajuste equivalente à inflação.

Assuntos desta notícia