Governo temerário

Postado em 18/05/2016 15:28:14

A sucessão de trapalhadas na primeira semana do presidente interino Michel Temer deixa transparecer que, como vice-presidente, ele tanto se ocupou da conspiração, que descuidou da preparação para assumir o governo.

Temer prometia outras presenças na Esplanada dos Ministérios, mas chegou abrindo mais espaço para figurinhas carimbadas da velha política. Em suma, prometeu um ministério de notáveis e nomeou um ministério de notórios.

Não bastasse a falta de votos e, portanto, de legitimidade do governo interino, Temer, voluntariamente, somou a isso a falta de representatividade do seu ministério sem mulheres e sem negros, portanto, sem a cara do povo brasileiro.

Foi patético o esforço do presidente interino para justificar o clube de homens brancos retratados em seu ministério. Depois de várias negativas de mulheres chamadas às pressas, pareceu remendo o anúncio da economista Maria Silva Bastos Marques para o BNDES.

Temer prometeu não interferir na Operação Lava Jato e manter o combate à corrupção. O novo ministro da Justiça, Alexandre Morais, é advogado de Eduardo Cunha. O novo subchefe da Casa Civil para Assuntos Jurídicos, Gustavo do Vale Rocha, também advogou para o presidente afastado da Câmara dos Deputados. E vai acumular outro cargo, pois graças ao apoio de Eduardo Cunha, em 2015 Rocha foi nomeado para o Conselho Nacional do Ministério Público, órgão de controle externo do Ministério Público.

O novo ministro da Justiça chegou questionando o poder do Ministério Público, mas logo depois procurou corrigir o que disse. O mesmo aconteceu com o ministro da Saúde, Ricardo Barros, que disse, e logo desdisse, ser preciso rever o tamanho do SUS.

No ato de posse, Temer garantiu não permitir a prática atrasada de um governo chegar desfazendo o que fez o antecessor. E o novo ministro das Cidades, o tucano Bruno Araújo, já chegou cancelando 11.250 casas do “Minha Casa, Minha Vida”.

O mais sonoro dos discursos trocados, porém, teve como porta-voz o novo ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, defendendo a volta da CPMF e o aumento de impostos.

O tempo dirá se o sumiço de quatro estrelas na bandeira nacional estampada no logotipo apresentado por Temer foi mais uma dessas trapalhadas ou a marca de subtração de um governo temerário.

* Gilberto Braga de Mello é jornalista e publicitário.
E-mail: giba@ciaselva.com.br

editorial

Uma boa medida

 

Como este jornal mostrou na edição de domingo, pelo menos, aqui, no Estado, as autoridades de segurança estão tomando medidas para evitar as chacinas que vêm se sucedendo em diversos estados com as disputas entre as famigeradas facções e, ao mesmo tempo, prevenindo e combatendo a criminalidade aqui fora com ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook