Las Vegas – Jornal A Gazeta

Las Vegas

[dropcap]E[/dropcap]ra uma noite de domingo animada ao som de muita música country. A jovem dançava e cantada empolgada com o que parecia ser o final de semana perfeito. Tinha ao lado as melhores companhias: suas amigas. Mais à frente, um rapaz bonito trocava olhares. A festa estava quase acabando e ela sabia que tinha que ir falar com ele.
Descontraída, a jovem olhou para o celular e verificou que faltava um minuto para as 22 horas. O dia seguinte seria puxado. Ela não gostava muito das segundas-feiras.
“Vai lá”, encorajou a amiga à esquerda. Ela corou e depois assentiu. Estava decidida a falar com o rapaz. Uma nova música iniciava no palco, o que a deixou mais confiante ainda.
Sorrindo, a mulher via o espaço entre eles diminuir. Ela contou cinco passos até ouvir o primeiro tiro.
O coração acelerou, mas não era por causa do romance que poderia começar logo mais. Sua mente estava detectando perigo, mas não entendia de onde vinha isso.
Gritos e correria. Rapidamente, ela perdeu o rapaz de vista. Virou-se para onde havia deixado as amigas e as viu no chão. E, antes mesmo de chegar até elas, uma pontada no peito a fez perder a estabilidade. Aquilo queimava, ardia, doía de dentro para fora.
Olhou ao redor e não identificou de onde veio o tiro que a atingiu. Na verdade, a jovem fitava centenas de pessoas correndo, algumas escapando e outras caindo abatidas por disparos vindos de um lugar desconhecido.
Ela caiu. A vista estava ficando cada vez mais escura e a respiração pesava a cada nova tentativa de puxar o fôlego.
“Por que alguém nos machucaria?”, pensou ela antes de fechar os olhos para sempre.
Outubro começou com gosto de sangue. Milhões de pessoas no mundo inteiro acordaram nesta segunda-feira, 2, com a notícia da morte violenta de quase 60 pessoas durante um festival de música country em Las Vegas, nos Estados Unidos. Pelo menos 527 vítimas ficaram feridas.
O aposentado Stephen Paddock, de 64 anos, foi apresentado pela polícia como o responsável pelos ataques. Ele atirou da janela do 32º andar de um hotel. O motivo para tamanha crueldade ainda é desconhecido.
Paddock tirou a própria vida quando a polícia invadiu o quarto no qual ele estava. Mas, naquela altura, ele já havia matado dezenas.
A tragédia reascendeu o debate sobre as facilidades com que os americanos têm acesso a armas. O presidente Donald Trump diz que é cedo para discutir essa questão. E eu me pergunto: qual a melhor hora? Quando outro louco provocar novo ataque tirando a vida de inocentes?

“A tragédia reascendeu o debate sobre as facilidades com que os americanos têm acesso a armas”

Assuntos desta notícia