Mude e tudo muda – Jornal A Gazeta

Mude e tudo muda

 

Olá, tudo bem? Como vai você?
Algo me chama atenção em meu dia a dia. As pessoas vivem a reclamar que tudo continua do mesmo, que nada muda, que a violência está cada vez pior, que não tem dinheiro, não consegue economizar, que os governantes nada fazem, que a saúde está precária. Sempre se colocando em uma posição de vítima como se nada pudessem fazer para mudar esta realidade. Mas o que podemos fazer?
Mude o seu conceito!
Como assim?
Por exemplo, até quando permanecerá reclamando? Para onde a reclamação irá te levar? Quanto mais você reclama pior ficam as coisas, pois você se torna resmungão, chato, cheio de amargura, negativo, e as pessoas começam a se afastar de você. O mais interessante é que a vida ao seu redor se torna cada vez mais parecida segundo as suas reclamações, ou seja, tudo segundo aquilo o que você pensa que é.
“É verdade, se pensarmos em coisas felizes, seremos felizes. Se pensarmos em desgraças, seremos uns desgraçados. Se pensarmos em coisas assustadoras, viveremos com medo. Se pensarmos em doenças, ficaremos provavelmente doentes. Se pensarmos em falhar, é certo que falhamos. Se ficarmos mergulhados em autocomiseração, vão todos afastar-se de nós e evitar-nos. Norman Vincent Peale afirmou: tu és o que tu pensas.”
Convenhamos que permanecer no papel de vítima é bem cômodo. Eu sei que a violência está cada dia pior. Mas, como você tem contribuído para uma mudança positiva? Que tal começar a mudar os governantes que você ajudou a eleger? Se eles não têm competência para o cargo que exercem, dê uma chance a outro. Afinal, errar uma vez é humano, duas ou mais vezes é extrema ignorância.
Cabe a mim e a você escolher se vai permanecer contribuindo ou não com a violência. Está em nossas mãos mudar a realidade. Isto vale também para a situação econômica do nosso Estado e país. Nós temos o poder nas mãos de mudar uma realidade doentia, que tem destruído vidas, famílias e envergonhado o mundo.
Eu não estou falando de excesso de otimismo, que fique bem claro isso! Eu estou falando de um posicionamento positivo diante da realidade. Uma coisa é um aluno não estudar para a prova e afirmar: irei conseguir, sou otimista, eu acredito. Este aluno não está sendo realista, afinal, ele não estudou, não se preparou. O que ele fez para pensar que irá conseguir? Neste caso, é brincar de Pollyanna, um clássico de Eleane H. Porter, que retrata uma personagem excessivamente otimista.
Nós precisamos ser positivos, porém dentro da realidade, com os pés no chão, sem ilusão ou brincadeira de faz de conta. Precisamos ter consciência e aprendermos a tomar as medidas apropriadas, fazermos as escolhas certas, pararmos de nos enganar, pois a pior mentira é aquela que contamos para nós mesmos. O tempo está passando, e o que você tem construído, conquistado? Vamos! Acorde! O poder de mudar está em suas mãos.
Quer passar em um concurso? Tem realmente estudado, dedicado horas de estudo por dia, ou dormia maior parte do tempo? Até quando pretende enganar aos seus pais, fazendo de conta que está estudando? E os pais, estão se enganando também? Vale a pena investir em um filho que tem mostrado a você que não se empenha em conquistar um serviço público ou algo semelhante? Se isso está acontecendo, está na hora de ajudá-lo mudando a estratégia. O diálogo positivo dentro da realidade é o mais apropriado.
Alguns pais costumam dizer: “Mas, Claudia, eu sempre estudei, me esforcei e consegui”. Pois é, você. Mas, e quanto ao seu filho? Qual a real história dele? Pés no chão. Admita. A melhor coisa do mundo é quando assumimos e aceitamos a verdadeira realidade que está dentro de nossas casas, ou envolta de nós. Você é uma pessoa e é única, e seu filho também.
Sabe de uma coisa, o homem é aquilo que ele pensa sobre ele o dia inteiro. Então, meu amigo, minha amiga, o que você tem pensado ao seu respeito? Seus pensamentos neste momento podem estar aprisionando você, provocando medos, angústias, sofrimentos, te torturando com palavras negativas, depreciação a cerca de si mesmo. As suas crenças mentais estão te escravizando, e por isso tem deixado de viver a vida como realmente merece ser vivida. Sua autoimagem distorcida tem te engessado fazendo você se sentir um fracassado, um nada, um perdedor e humilhado.
O grande filósofo Marco Aurélio, que governou o Império Romano de forma realista e inteligente, resumiu esta questão que pode determinar o seu destino da seguinte forma: “A nossa vida é aquilo que os nossos pensamentos fazem dela”.
Então, o que está esperando?
Não aceite essa invasão de pensamentos negativos e derrotistas ao seu respeito. Nós somos ímãs. Você pode atrair o bom e o ruim. Atraia coisas boas e pessoas positivas. Busque o bem, a ética, a boa vontade, a honra, a justiça e a dignidade. Que sua mente produza pensamentos construtivos ao seu respeito. Que você possa agir transmitindo e atraindo energia positiva. Que aja luz em seu semblante e otimismo em suas palavras. Que a alegria invada o seu ser a ponto de contagiar o ambiente, e as pessoas que o cercam. Encante e cante mesmo diante das mais difíceis situações. Nós precisamos ter ânimo para encarar e passar pelos problemas com a certeza da vitória, que tudo tem a hora e o tempo certo de ser resolvido.
Vamos! Mude e tudo muda!
Um grande abraço!
Fique com Deus.

Claudia Correia de Melo é terapeuta de adolescentes, individual e de casal. Escritora. Palestrante. Faz atendimento online para você e sua família. Skype: claudiacorreiamt / (68)99920-0371.

Assuntos desta notícia