O poder – Jornal A Gazeta

O poder

O conhecimento salva vidas. Quando aprendemos algo novo, ampliamos nossas chances de sobrevivência no mundo. Desde o momento em que nascemos, a vida nos leva em uma correnteza célere e forte. Não tem como nadar na direção oposta, apesar de muitos tentarem.

Ainda bebê, você aprende que se chorar alto terá o que precisa. Depois, descobre que tocar no fogo não é uma ideia legal. Mais tarde vêm as primeiras palavras, a escola, a adolescência, o primeiro amor, a fase adulta, e, um dia, sentimos a sensação de adaptação.

Aprendemos muitas coisas ao longo dos anos. Algumas ficam, outras se perdem. Aprendemos em quem confiar, como sair de situações difíceis e a cuidar de si mesmo.
Não há um guia específico sobre como seguir a jornada. A gente o faz. Os mais sábios observam as experiências dos outros e aprende com elas.

Mas, o conhecimento sobre os nossos direitos, ah, esse é magnífico! É desse aprendizado que eu quero para todos e, assim, quem sabe um dia possamos ter um mundo com menos injustiças.

Você já deve ter reparado como pessoas com muito conhecimento conseguem chegar exatamente no lugar desejado. Lamentavelmente, outras acabam usando disso para diminuir os menos instruídos.

Eu já fui destratada por um médico. Quem nunca passou por isso deve agradecer aos céus pelo livramento. É uma situação desconfortável para qualquer pessoa com saúde fragilizada. Felizmente, naquele momento, eu soube me defender com educação e respeito. Mas, depois de sair do consultório, fiquei pensando em outros que não sabem dos seus direitos e apenas deixam um infeliz profissional arrotar arrogância e desprezo com a sua situação.

Minha mãe sempre se esforçou para que não me faltasse o material escolar. Ela trabalhou por horas e horas todos os dias para garantir os meus estudos. Dizia que a escola me daria um conhecimento que ninguém poderia tirar. Mamãe tinha razão.
No entanto, ser inteligente não te dá o direito de ser um escroto. Você pode saber mais de física quântica, de português, de matemática, de filosofia, mas certamente, você não sabe tudo.

Sempre que contratamos o serviço de alguém, estamos afirmando que não somos peritos naquilo. Se você já precisou de um serralheiro, um roçador, um carpinteiro, uma empregada doméstica, uma cozinheira, uma costureira, qualquer um desses trabalhadores, por não saber fazer aquele serviço, então essa pessoas tinha mais conhecimento que você naquela área.

Já disse que conhecimento salva vidas e agora digo que ele também garante os nossos direitos. Ao se deparar com alguma injustiça, seja com você ou com outra pessoa, não deixe passar batido. Reaja. Naquele momento pode ser uma atitude isolada, mas, se juntar a outras, essa corrente será mais forte. Esse é o verdadeiro poder.

Assuntos desta notícia