O preço de ser profissional

Postado em 14/09/2016 23:02:22 Bruna Lopes

Um profissional se capacita nos bancos das faculdades e universidades. Até aí, acredita-se que tenha um caráter formado e de preferência idôneo. Após quatro ou cinco anos aprendendo na teoria o mercado de trabalho, novas tendências e ética, teoricamente, o profissional está formado e pronto para enfrentar a concorrência, pressão e gerenciamento de crise.

Aí vem a temida e aguardada entrada para o mercado de trabalho. Com todas as dificuldades e engessado por si só. Paralelo a isso, você lida com seus demônios, afinal, crescer profissionalmente não é fácil, imagina pessoalmente?! É um processo doloroso que requer bastante atenção e disciplina.
Enquanto você aprende a lidar com as escolhas pessoais, no ambiente de trabalho, todos os dias, é necessário mostrar um sorriso, um salto alto, educação de primeira e de novo profissionalismo.

Aos poucos, os números mostram crescimento e comprovam que o seu trabalho está no caminho certo. A quantidade de demanda aumenta exponencialmente e você crê que seja uma espécie de reconhecimento dos patrões. Ledo engano.

Nessa situação, o profissional precisa se apegar a alguma coisa para encarar uma agenda às 8h sendo que ficou até as 3 da madrugada fazendo e corrigindo textos, produzindo relatórios, criando campanhas ou estratégias para os patrões.

“Eles confiam na gente. Estamos fazendo um trabalho. Vamos aguentar”, essas são as frases faladas, escritas e pensadas numa espécie de mantra para encarar as ironias, cobranças e falta de humildade de alguns que queriam mandar mais que o chefe maior. Mas, quem nunca passou por isso na vida no campo profissional?
Realidade que trouxe benefícios para a intelectualidade desse ser humano, além de experiências fantásticas. Mas, ao mesmo tempo, provocou uma queda na qualidade de vida, acabou o tempo com a família e amigos. Aquela série tão amada, você consegue assistir um episódio na semana e passa outras duas sem ver, porque qualquer tempinho livre, dormir é o melhor programa.

Tempos depois, o trabalho ganha corpo, credibilidade e reconhecimento dos profissionais da mesma área, enquanto isso, os patrões nem tchum!
Fim da história. Apesar de todos os esforços possíveis e impossíveis, o trabalho foi criticado, menosprezado e engavetado por quem não sabe escrever uma receita de bolo de caixinha, mas que tem o poder nas mãos.

Moral da história? Não espere reconhecimento por parte de ninguém. Porque se ele não vier, pelo menos você cresceu como profissional. E isso, nunca nem ninguém pode tirar de você.

Bruna Lopes é jornalista
jornalistabrunalopes@gmail.com

editorial

Uma boa medida

 

Como este jornal mostrou na edição de domingo, pelo menos, aqui, no Estado, as autoridades de segurança estão tomando medidas para evitar as chacinas que vêm se sucedendo em diversos estados com as disputas entre as famigeradas facções e, ao mesmo tempo, prevenindo e combatendo a criminalidade aqui fora com ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook