O que importa – Jornal A Gazeta

O que importa

Apesar das divergências entre os historiadores, Rio Branco está completando hoje 135 de sua fundação, com bons motivos para comemorar, mas também com graves problemas ainda a serem resolvidos.
Fundada por um seringalista, viciado em carteado, a cidade girou durante quase um século em torno do Rio Acre, o rio que “comandava a vida”, utilizado para sua sobrevivência com o que vinha de fora para abastecer os chamados “barracões”.
Evidentemente, que este fator influenciou sobremaneira as condições de vida de seus habitantes e se agravou, depois, com o êxodo rural dos seringueiros e outros habitantes com a chegada da pecuária extensiva. São fatores históricos que precisam ser levados conta, mas o que importa no momento é saber e debater as condições de vida que a cidade está oferecendo aos mais de 400 mil habitantes.
Como se disse, há alguns bons motivos para comemorar, como o esforço que alguns de seus administradores tem feito nas últimas décadas em ordenar o crescimento da cidade para locais mais propícios à habitação e, por conseguinte, proporcionando melhores condições de vida.
Contudo, há problemas sérios a serem resolvidos, como o da criminalidade, que se agravou com a chegada das famigeradas facções criminosas. Mas como já se assinalou este é um problema nacional, que não cabe apenas ao prefeito e ao governador resolver.

Assuntos desta notícia