Período chuvoso me deixa pobre – Jornal A Gazeta

Período chuvoso me deixa pobre

É inegável que Rio Branco tem sofrido com período chuvoso e de acordo com a Defesa Civil, esta temporada de chuvas mais rigorosa no município desde 1971. Por causa das inúmeras precipitações, de manhã, de tarde, noite e de madrugada, acabam interferindo na manutenção das ruas na Capital.

Mas, isso qualquer um sabe. E para explicar a relação das chuvas com meu bolso ressalto que essa é uma realidade de muita gente por aí. O problema é que um buraco no asfalto pode causar graves danos nos pneus e suspensão de um automóvel.

Para evitar dores de cabeça, os motoristas devem sempre dirigir com cautela e manter uma boa distância do carro da frente, o que garante uma melhor visibilidade da pista.

Mas, nem sempre é possível, né! E nos últimos dias, percebi que meu carro estava com barulhinho. Isso depois de ter caído numa cratera lunar! Na hora agradeci por ter tido sorte e não ter rasgado o pneu ou amassado a roda. Mero engano. Nessa ocasião, um amortecedor estourou.

Depois de uma avaliação tive o diagnóstico e facada. “A senhora vai ter que refazer a suspensão, trocar os quatro amortecedores. As peças com a mão de obra devem ficar em torno de R$ 1,5 mil. E mais, o carro fica um dia na oficina para fazer o serviço”.

Ao ouvir isso, não sabia se ficava com raiva dos buracos, da chuva, de mim (por ter caído) ou do mecânico por ter me dado uma notícia dessa assim. Afinal, meu carro é popular (bem popular mesmo, graças à Deus), para ter gastos como esse de uma lapada só.

É bem verdade que não foi só um ou dois buracos que causaram esse estrago no carro. Mas, é uma despesa totalmente fora do orçamento e que muitas famílias estão tendo. E as autopeças e oficinas mecânicas tem faturado alto nesse período, isso também é inegável.

Comecei a pesquisar os valores das peças, na tentativa de obter um desconto ou na possibilidade de uma compra avulsa sair mais em conta. O caminho é longo e tem um preconceito velado. Já que uma mulher numa loja de autopeças é para comprar tapete e não amortecedores.

Ou vendedores que atendem com olhar desconfiado ou oferecem um produto mais caro, pensando que não vou cobrar um mais em conta. Passou da hora das coisas mudarem. Das chuvas acabarem, dos buracos serem tapados e que esse universo tão masculino se prepare para aceitar que as mulheres também são motoristas e merecem atenção e respeito.

Bruna Lopes é jornalista
jornalistabrunalopes@gmail.com

Assuntos desta notícia