Política Local 01/09/2017 – Jornal A Gazeta

Política Local 01/09/2017

“Esses números apresentados são reflexos do bom trabalho que vem sendo feito pela tropa da PM em abordagens de rotinas, operações e atendimento de ocorrências”.

(Comandante-geral da PMAC, coronel Júlio César dos Santos, ao falar sobre os resultados operacionais da corporação durante o primeiro semestre deste ano).

Na oposição
Ao que tudo indica o deputado Jesus Sérgio (PDT) fará o mesmo caminho que o deputado federal Alan Rick (DEM). O pedetista irá deixar a base governista para se filiar a PSD, do senador Sérgio Petecão. Será colega de partido do deputado Jairo Carvalho (PSD).

Reeleição
A notícia que corre nos bastidores da política é que Jesus Sérgio avalia como complicado concorrer à reeleição no PDT. Para próximo ano a sigla vem com nomes fortes, o que coloca em risco seu desejo de voltar para a Casa do Povo. A estratégia – que de nova não tem nada – é rumar para um partido que possa lhe ajudar em seu projeto.

Tomou posse
O jovem Rodrigo Pires é o novo presidente regional do partido Livres, antigo PSL. A posse ocorreu na última quarta-feira, 30. O foco de Pires a frente da sigla será, como ele mesmo comentou durante a solenidade, construir um partido que não possa depender de trocas de favores políticos.

Será que consegue?
O que Rodrigo deseja mesmo é manter a independência política do partido. Ou seja, sem cargos, sem cobranças. Ele diz também que não ocorrerá desfiliação involuntária e nem intervenção em nenhuma liderança de bancada. A liberdade será o carro-chefe de sua gestão.

Dos sonhos
Já tem quem diga que o Livres é o partido dos sonhos de muito político, afinal, quem não deseja uma sigla na qual não tenha nenhum tipo de cobrança. Particularmente, acho arriscado esse tipo de gestão. Num piscar de olhos, o caos se instala devida a falta de controle.

Novo presidente
O diretório municipal do Livres ficará sob o comando do vereador Emerson Jarude, que já vislumbra levar cada vez mais para a legenda os princípios do liberalismo e de uma nova política. E não esperem que o partido assuma um lugar ao lado da situação ou oposição. Não acontecerá. Já afirmaram que caminharão conforme as necessidades do povo.

Não desistiu
O deputado federal Alan Rick (DEM) disse que não quer mais se envolver no debate acerca de quem será o indicado a vice na chapa de Gladson Cameli. Mas, acho que se esqueceu de avisar o presidente de seu partido, Tião Bocalom.

Questão de tempo
Ouvi ontem de um oposicionista que Bocalom ainda insiste na história de que se a oposição não anunciar o nome do vice até o final de setembro, ele lançará um candidato do Governo e outro ao Senado. A ideia está mais viva do que nunca.

De olho aberto
Mas Bocalom não é o único que está de orelha em pé em torno dessa história de adiar os debates sobre a indicação do vice. O presidente do PSDB, Major Rocha, já disse que não aceitará ser “passado para trás”.

Ele acha
Rocha acredita que essa é mais uma estratégia do PP para tirar de “suas mãos” a prerrogativa de escolher o nome que comporá a chapa da oposição ao Governo. Um raciocínio lógico.

Problema a vista
Uma nova polêmica envolvendo o deputado federal Wladimir Costa (SD-PA), que recentemente ficou famoso por tatuar o nome de o presidente Michel Temer (PMDB), irá parar no Conselho de Ética da Câmara. Dois deputados do PT protocolaram uma denúncia contra ele e devem apresentá-la ao conselho na próxima segunda-feira.

A casa vai cair
O parlamentar paraense é acusado de enviar na tarde da última quarta-feira uma foto de uma adolescente seminua no grupo de aplicativo Whatsapp da Comissão de Fiscalização Financeira e Controle. Ele identificou a menina como sendo filha de uma colega de parlamento.

Polêmico
Wladimir tem se notabilizado em gerar polêmica. Já foi, inclusive, flagrado pedindo “nude” a uma jornalista durante a votação da denúncia do presidente na Câmara e foi acusado de assédio por outra profissional de imprensa. Ele nega, mas, seu histórico tem lhe condenado.

Que se cuide
O presidente em exercício da Câmara dos Deputados, André Fufuca (PP-MA), afirma que dará prosseguimento a uma eventual nova denúncia contra o presidente Michel Temer (PMDB), se a peça chegar a Casa enquanto ele estiver como substituto de Rodrigo Maia (DEM-RJ). Michel Temr que se cuide.

 

 

 

Assuntos desta notícia