Politica local 14/05/2016 – Jornal A Gazeta

Politica local 14/05/2016

“O sistema político do Brasil deveria ser julgado, não uma mulher”.
(Jornal inglês The Guardian)

Velhas raposas
Uma olhada superficial nos ministérios do presidente interino, Michel Temer (PMDB), e já dá para perceber o DNA das velhas raposas, da velha política brasileira.

Ficou zonzo
A volta da CPMF anunciada nas entrelinhas pelo novo ministro da Fazenda, Henrique Meireles, foi uma martelada na cabeça do pato gigante da Federação das Indústrias de São Paulo (FIESP).

O jogo se inverteu
Na Assembleia Legislativa, os deputados de oposição, principalmente, do PMDB, PSDB e PP, falavam mais de Dilma Rousseff (PT) do que de Tião Viana. Agora, os petistas querem o fígado do Michel Temer (PMDB).

Bela oportunidade
O líder do PT, deputado Lourival Marques (PT), vai sugerir a deputada Eliane Sinhasique (PMDB) que cobre do presidente interino Michel Temer que reduza a tarifa de energia elétrica como fazia com a Dilma.

Vira vidraça
Quem sai da oposição e vai para a situação vira vidraça. Os deputados do PT, por exemplo, vão cobrar do deputado Chagas Romão (PMDB), crítico mordaz da Saúde, que o Governo Federal mande mais recursos para atender a população pobre.

Sabe de cor
O líder do governo, deputado Daniel Zen (PT), sabe de cor e salteado, de trás para a frente e de frente para trás, o plano do governo Temer, chamado “A Ponte Para o Futuro”. Está pronto para o debate.

As gargalhadas
Os petistas, sem dúvida alguma, estão dando risada com a provável volta da CPMF e outras medidas que a presidente Dilma queria implementar para reequilibrar a economia. Aécio, Cunha e Temer não deixaram.

Remendo pior do que o soneto
Em sua programação jornalística de canal fechado, a Rede Globo tentava de todas as maneiras explicar a necessidade da CPMF provisória. “O problema é que, no Brasil, tudo que é provisório vira definitivo”, tascou economista da USP.

Analisando o quadro
Segundo um dos dirigentes do DEM, o partido vai analisar com cautela a proposta de Tião Bocalom ser o vice da deputada Eliane Sinhasique (PMDB).

Pode ser bucha
Com as medidas que começam a ser anunciadas pela área econômica de Michel Temer, pode ser uma péssima ideia acompanhar o PMDB na eleição municipal. O desgaste será grande.

Sem desculpas
Boa parte da população que foi às ruas pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff não quer desculpas, quer mudanças.

Vai começar
A Frente Popular vai abrir o debate para definição do vice de Marcus Alexandre. Até o final do mês, o bimestral definido.

Quer mais
O PDT vai querer mais espaço no governo. Consideram que Jamyl Asfury é da cota do PT e não do partido. Apenas a Secretaria de Pequenos Negócios, Henry Nogueira, é indicação partidária.

“Ser ou não ser”
Os dois deputados do PDT, Jesus Sérgio e Heitor Junior, foram comunicados da decisão do partido. Deverão se posicionar. Ou ser governo ou oposição.

Não pode recuar
Os deputados federais que votaram pela mãe, a mulher, filhos, netos, bisnetos, amantes e por “Deus” não podem refugar na hora de votar o “plano econômico” do novo governo provisório.

Cheque em branco
Deputados e senadores que derrubaram a presidente Dilma Rousseff passaram um cheque em branco para Michel Temer. Não podem reclamar.

De olho
No Acre, os eleitores vão observar mais as posturas dos senadores Sérgio Petecão (PSD), Gladson Cameli (PP) e dos deputados federais Jessica Sales (PMDB), Alan Rick (PRB) e major Rocha (PSDB).

Coberto de razão
O deputado Daniel Zen tem afirmado que não adianta o PT ficar lamentando a saída de Dilma. Segundo ele, é planejar e executar o que vai se fazer daqui para frente.

Macambúzios
Com o afastamento de Dilma Rousseff, alguns petistas andam macambúzios.  Já outros, admitem, que a saída dela foi muito bom para o PT e para o ex-presidente Lula.

Parecia
No segundo mandato, a presidente Dilma mais parecia um elefante em uma casa de louças. A cada movimento, quebrava tudo.

Assuntos desta notícia