Por falta de medicamentos e condições essenciais de tratamento no Hosmac, MP/AC ajuíza ação

Postado em 11/01/2017 16:06:30 BRUNA LOPES

 O Hospital de Saúde Mental do Acre (Hosmac) é alvo de uma ação civil pública ajuizada pelo Ministério Público do Estado (MP/AC) que pretende solucionar problemas como a falta de medicamentos, médicos, alimentos, roupas para troca dos pacientes após o banho, segurança e outras condições essenciais de tratamento. As condições da unidade levaram a direção do hospital a bloquear as internações por falta de vagas.

Denúncias apontam que os pacientes são obrigados a dormir no chão sem cobertores devido à falta de leitos e colchões. Na ação, o MP/AC requer uma antecipação de tutela, ou seja, a antecipação dos efeitos da sentença condenatória, e determina que o Estado invista recursos próprios para custear as necessidades do hospital.

Ainda na ação, o próprio corpo clínico da unidade sugeriu a suspensão das atividades da unidade por 60 dias.

A Secretaria de Saúde do Acre (Sesacre) comentou o caso nesta terça-feira, 10. Durante uma entrevista coletiva, o secretário-adjunto de Atenção à Saúde, Ráicri Barros, o secretário-adjunto de Planejamento, Rui Arruda, e o secretário de Saúde em exercício Kleyber Guimarães falaram sobre a elaboração de um plano de ação para que as atividades do Hosmac sejam reduzidas gradativamente até uma reavaliação da necessidade da unidade.

“Existe uma diretriz nacional em que a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) vai fazer essa função da unidade. Temos um acordo com o município e o próprio MP/AC, que venceu em 31 de dezembro, que era justamente sobre a criação do Capes para que o atendimento fosse feito da maneira necessária. Nas casas terapêuticas devem ter enfermeiros e médicos, mas não um ambiente de internação como existe hoje. Esse modelo do Hosmac não é apoiado pela política nacional”, explicou Ráicri Barros.

O plano é que os municípios ficariam responsáveis pelo atendimento ambulatorial dos pacientes através da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Depois disso, o Capes deveria criar casas terapêuticas para atender essas pessoas. Durante esse período de transição, o Hosmac deve permanecer funcionando com recursos do Estado.

Sobre outras solicitações do MP/AC, o secretário-adjunto afirmou que a Sesacre já havia tomado várias medidas prioritárias relativas a receituários e materiais. Porém, ressaltou que o Hosmac não deve receber novos pacientes até que esteja dentro das condições necessárias.

“A questão dos pacientes sem colchões foi até uma surpresa para nós, pois tínhamos material em almoxarifado e fizemos o deslocamento. O mesmo ocorreu com os medicamentos. É preciso destacar que o atendimento ambulatorial relacionado à saúde mental já é uma competência inerente aos municípios. Certas situações, de pessoas que já possuem acompanhamento, essas questões é que vão ser trabalhadas pela transição”, esclareceu Ráicri Barros.

O desabastecimento de remédios

O Hosmac é o hospital psiquiátrico responsável por fazer internações psiquiátricas, além de promover atendimento ambulatorial em saúde mental. Atualmente, a unidade não dispõe de quase metade dos medicamentos essenciais. Falta um a cada três medicamentos de padrão da unidade.

A falta deles, além de não possibilitar o controle das crises dos pacientes, ocasiona o agravamento e consequente necessidade de intervenção, além de desencadear mais internações.

O caso tem a agravante de os fornecedores de medicamentos estarem se recusando a fazer entregas em razão de débitos anteriores do Estado, que está inadimplente enquanto cliente.

Segundo Ráicri Barros os medicamentos são uma necessidade constante. “O que temos hoje, e que era do meu conhecimento, é que o estoque estava acima de 50%. É difícil o aspecto regional considerar o abastecimento em torno de 100%. Essa é uma realidade muito longe de qualquer gestor público. O que fazemos, principalmente nesse fim de ano com os laboratórios de férias, é procurar manter o estoque que garanta o acesso à população e isso foi feito”, afirmou.

Os pedidos do MP

O Ministério Público requer a concessão da antecipação da tutela e determinou ao Estado a obrigação de alocar recursos financeiros próprios, oriundos da própria receita, a fim de custear as necessidades do Hosmac. O Estado tem o prazo improrrogável de 72 horas para se manifestar.

O MP/AC também pede que os pacientes já internados e os atendimentos ambulatoriais previamente agendados sejam mantidos, garantindo a devida assistência clínica, social e humana, com a ministração de medicamentos, cuidados pessoais tendentes à higidez física e mental. Também deve encaminhar à Justiça a relação total de pessoas internadas, com nome completo, filiação, desde quando está internado, motivo da internação, contato familiar ou social mais próximo e outros elementos de identificação.

A ação do MP pede, ainda, a interdição do Hosmac com relação aos leitos psiquiátricos e atendimentos ambulatoriais, encaminhando todos os futuros pacientes que necessitem de internação a outras unidades de saúde pertencentes ao Estado, com perfil clínico adequado, a exemplo dos leitos de saúde mental do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), até que a unidade possa receber com dignidade os pacientes que necessitem de internação.

A intenção do MP é não deixar o usuário sem assistência, garantindo agendamento de consultas em prazo adequado não superior a 60 dias e de acordo com a prioridade e o estado clínico do paciente.

Em caso de descumprimento da liminar, o Estado está sujeito à multa no valor de R$ 10 mil. (Com informações Ascom MP/AC e G1/AC)

editorial

Ajuda, mas não resolve

 

A transferência desses 15 presos tidos como “chefes” de facções criminosas de Rio Branco para Mossoró, no Rio Grande do Norte, embora tardia, diante dos apelos do Governo do Estado, pode contribuir para evitar problemas ou até mesmo alguma chacina também aqui no Estado, mas não resolve a questão da ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook