QUANDO O RIO ACRE IRÁ SECAR DURANTE O VERÃO AMAZÔNICO?

Postado em 02/08/2016 04:18:32 Evandro Ferreira e Ednéia Araujo dos Santos

Em dezembro de 2014 havíamos publicado um artigo neste jornal ‘A Gazeta’ no qual questionávamos se o final do rio Acre era inexorável. Um ano e meio depois, estamos a testemunhar uma seca inédita do nosso rio que, infelizmente, corrobora o que havíamos comentado naquele artigo. Hoje estamos publicandouma versão editada e atualizada do referido artigo, cujos dados nos foram gentilmente repassados pelo Dr. Foster Brown do SETEM/Parque Zoobotânico da UFAC.

A ameaça de escassez de água potável no planeta é uma realidade em muitas regiões, especialmente as mais áridas ou que sofreram graves desequilíbrios ambientais. Falar que tal cenário poderia se materializar na Amazônia, com uma vasta rede hidrográfica que abriga a maior reserva de água doce do planeta, soaria como algo surreal. Entretanto, a rápida ocupação da mesma a partir dos anos 70- queresultou na eliminação de cerca de 15% de sua cobertura florestalpara a implantação de cidades e empreendimentos industriais e agropecuários – tornoufactível a ameaça de escassez de água em algumas partes desta região nos próximos anos.

Ea região leste do Acre poderá ser uma das primeiras na Amazônia a ter que conviver com limitações hídricas se a degradação de seus remanescentes florestaise da sua rede hidrográfica não for controlada. Dos 21,3 mil km² desmatados no Acre (13% de seu território), 15 mil km² ocorreram nesta região. Soa um exagero, mas apesar do leste do Acre equivaler a apenas 22,5% do território do Estado, eleconcentra cerca de 70% dodesmatamento registrado em todo o Estado.

A principal ameaça de crise hídrica no leste do Acre deriva dofuturo do rio Acre, que drena cerca de 90% da região (a outra bacia é a do rio Abunã) e abriga em sua área de influência cerca de 450 mil pessoas, ou aproximadamente 60% da população acreana.A região leste é também a mais importante sob o ponto de vista econômico, representando cerca de 70% do produto interno bruto estadual. Uma grave crise hídrica terá, portanto, sérias consequências socioeconômicas para todo o Acre e, possivelmente, para a região sul-ocidental da Amazônia.

Um estudo realizado em 2011 (Piontekowski e outros) mostrou que das 11,5 mil hectares dasÁreas de Proteção Permanente (APP) do rio Acre em território acreano, cerca de 3,7 mil (±32%) já tinham sido destruídas. Em cinco dos oito municípios acreanos banhados pelo rio Acre a taxa de destruição desta APP ultrapassa 30%. Epitaciolândia e Rio Branco já eliminaram, respectivamente, 57% e 43% da APP do rio Acre em seus territórios. É importante ressaltar que no caso do rio Acre as áreas de APPs são sinônimos de mata ciliar, que tem importância estratégica para a sobrevivência de rios localizados em planícies sedimentares recentes, como é o caso do rio Acre.

Rios que correm em planícies sedimentarestendem a ser meândricos, apresentam muitas curvas acentuadas em razão da erosão constante em suasmargenspela ação da água, e mudam de curso com frequência, formando lagos em formato de meia lua ou ferradura. A existência de mata ciliar ao longo de rios meândricosajuda a diminuir a erosão natural de suas margens eserve como barreira para o escoamento de sedimentos (argila, areia, pedregulhos) para o leito dos rios, evitando o seu assoreamento (ou aterramento). Em rios assoreados, como parece ser o caso do rio Acre, são frequentes os alagamentos por ocasião de chuvas intensas.

O rio Acre sofre de problemas decorrentes não apenas da destruição de sua mata ciliar, mas também do intenso desmatamento acontecido na área que ele drena na região leste do Acre. A tabela que ilustra esse artigo reflete bem a influência dessas ações humanas sobre os valores das cotas mínimas (nível mais baixo) atingido pelo rio Acre a partirdo ano de 1971.

Entre as décadas de 70 (1971-1980) e 80 (1981-1990), o valor médio das cotas mínimas do rio Acre diminuiu apenas 2%. Esse valor, entretanto, caiu 16% entre a década de 80 e a de 90 (1991-2000), quando o desmatamento e a ocupação econômica da região leste do Acre se intensificaram. Entre a década de 90 e os anos 2000 (2001-2010) a diminuição da cota mínima chegou a 20%, um valor impressionante. Um dado interessante é a amplitude das cotas mínimas em cada década: 0,67 m entre 1971-1980, 0,85 m entre 1981-1990, 0,97 m entre 1991-2000 e 0,85 m entre 2001-2010.

Já ultrapassamos a metade da década de 2010 e é extremamente preocupante o fato de a cota mínima do rio Acre ter atingido 1,5 m em setembro de 2011, no final do período seco de um ano climaticamente normal.Mais impressionante foi observar que em julho de 2016, no início do verão amazônico, a cota mínima do rio Acre ter atingido pela primeira vez na história medida abaixo de 1,5 m!

Os dados na figura que ilustra esse artigo nos fazem questionar se a tendência de baixa no valor da cota mínima do rio Acre continuará com a mesma intensidade nos próximos anos.Se isso acontecer é bem possível que no final dessa década (2020) a cota mínima média do rio poderá atingir±1,65 m. E se a amplitude entre as cotas mínimasdo rio Acre for de ±0,6 m isso significará que poderemos testemunhar nosso rio chegar a uma cota mínima de ±1 m até 2020.É uma situação extremamente preocupante!

Se na próxima década (2021-2030) o ritmo de diminuição da cota mínima do rio Acre se mantiver, em algum ano da mesmaa cota mínima do rio poderá atingir apenas ±0,4 m.E se o cenário mais pessimista prevalecer na década entre 2031-2040 é possível que neste período, durante o verão amazônico,o leito do rio Acre fique completamente seco no trecho em que ele corta a cidade de Rio Branco.

Soa um futuro distante? Nem tanto. São apenas 24 anos. Nossos filhos, incluindo os adolescentes e aqueles que estão concluindo a faculdade hoje, e que tem vivo na memória o rioAcre com águas correntes no verão amazônico, poderão ser testemunhas desse desastre. Será esse o nosso legado para as futuras gerações? Se isso acontecer, como você – então um idoso que deveria ser visto como um sábio – se justificaria para os jovens do futuro que não foi cúmplice desse desastre?

Evandro Ferreira, Doutor em Botânica, é pesquisador do INPA e do Herbário do Parque Zoobotânico da UFAC.

Ednéia Araújo dos Santos, Engenheira Florestal e mestre em botânica, é bolsista do projeto LBA/INPA e pesquisadora Associada ao SETEM/Parque Zoobotânico da UFAC.

editorial

Melhor assim

 

Apesar da crise econômica, política e institucional, os brasileiros, cada um a seu modo, cessam suas atividades nos próximos dias por conta do Carnaval e não há nada de errado nisso, desde que prevaleça o bom senso para evitar qualquer tipo de exagero, sobretudo, a violência. No caso aqui do Acre, ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook