SECA DO RIO ACRE: ALERTA PARA TODOS – Jornal A Gazeta

SECA DO RIO ACRE: ALERTA PARA TODOS

O Rio Acre experimenta novamente um severo período de seca. Fato que já levou o governo do Estado a decretar situação de emergência em três cidades acreanas: a capital Rio Branco, onde o nível estava em 1,93 metro, na leitura das 6 horas desta quarta-feira (30); em Brasileia, cujo manancial está a 1,20 metro e em Porto Acre.
Em Cruzeiro do Sul, distante a 648 quilômetros de Rio Branco, a situação também é crítica e o Município decretou situação de emergência devido à seca do Rio Juruá, que está com seu manancial no nível girando em torno dos 5,0 metros.

O quadro é extremamente preocupante porque apesar dos 28 milímetros de chuva que caíram sobre Rio Branco nas últimas 24 horas, a seca segue intensa e ainda nem se chegou ao período de pico do verão amazônico, que é justamente nos meses de setembro a outubro, segundo alertou a diretora técnica do Instituto de Mudanças Climáticas (IMC), Vera Reis.

Reis confirmou que a atual situação climática na Amazônia sofre influências também de uma anomalia no Oceano Atlântico, que aumenta a superfície da água e está causando uma seca severa para o Brasil Central e para a Amazônia. Com isso, o que se tem observado é um déficit hídrico com os rios diminuindo seus níveis com maior velocidade. Rios que ainda nem teriam se recuperado da seca do ano passado, intensificada pelo efeito do El Niño.

Além disso, o que se tem ocorrido também, lastimavelmente, é o número de queimadas criminosas que tem, sobremaneira, influenciado para toda essa situação preocupante, inclusive na temperatura sobre a vegetação.

Já tratamos esse tema aqui anteriormente e não precisa, necessariamente, ser nenhum especialista para saber que esse conjunto de fatores ocorre pela ação humana e que é responsabilidade de todos nós cuidarmos do meio ambiente para que tenhamos um clima possível de sobrevivermos.

Ainda em 2016, o doutor em ciências ambientais e pesquisador da Universidade Federal do Acre (Ufac), Foster Brown, já previa que, um ano depois que o Estado viveu uma das maiores cheias, poderia enfrentar sua pior seca. As observações dos últimos 15 anos revelam o aumento progressivo da temperatura global, que continua influenciando nosso clima, associada ao avanço dos efeitos do fenômeno El Niño. Daí a produção de ondas de calor superiores às médias, fatores sentidos nos dias atuais.

São dados que devem deixar a todos em estado de alerta, pois os efeitos do calor e da seca são imensuráveis, com desastrosas consequências. O rio, por exemplo, é a vida da nossa cidade. Dele depende o abastecimento de água e os níveis atuais comprometem a captação na mais importante fonte de recurso hídrico de pelo menos nove municípios, além de pequenas localidades que o margeiam.

O Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa), órgão responsável pela captação, tratamento e distribuição de água em Rio Branco, está operando em estado de alerta e no limite de sua capacidade, com toda a estratégia de captação readequada para o momento crítico.

As torres de captação estão operando com o apoio de bombas instaladas sobre três flutuantes e como os sinais de vazante ainda são progressivos, a preocupação só aumenta porque se a tendência apresentada é a de que a lâmina d’água está cada vez mais baixa, e como consequência a captação e a distribuição de água podem ser diretamente afetadas.

À estiagem e à seca somam-se as queimadas num desastroso ciclo em que um fator favorece ao outro, desfavorecendo a todos nós. As crianças e os idosos são os que mais sofrem com problemas respiratórios.

É preciso haver consciência coletiva de que a responsabilidade não é apenas do Poder Público com seus órgãos todos a serviço da fiscalização, da coerção e da tomada de providências que minimizem os efeitos da estiagem.

É preciso que cada pessoa faça sua parte, compreendendo que um gesto pode significar muito ao todo: não desperdiçar água e não riscar o fósforo que bota fogo no lixo ou na mata são dois deles. Dos mais importantes.

*Raimundo Angelim é deputado federal (PT-AC)
Facebook: www.facebook.com/angelim.acre
Email: dep.angelim@camara.leg.br

Assuntos desta notícia