Tragédias reais e virtuais

Postado em 30/11/2016 23:14:25 Bruna Lopes

“2016 já pode acabar de vez”, esse era o comentário mais ouvido nesta terça-feira, 29, após a divulgação interminável do acidente aéreo que vitimou o time da Chapecoense além de dezenas de profissionais da imprensa e tripulação. A cada nova informação, fotos ou depoimento a realidade chocante da tragédia parecia mais perto de nós.

Foram 71 pessoas morreram e seis foram resgatadas com vida. Mas, o acidente não só vitimou apenas os profissionais que estavam a bordo do avião. Mas sim, as famílias, uma cidade e um país inteiro.

Aí entra em cena outro tipo de tragédia que poderia ser descrita até como tiro no pé. Conhecido pela agilidade e atualidade o site Catraca Livre teve a infeliz ideia de explorar a tragédia com o time da Chapecoense da pior maneira possível. Com conteúdo de extremo mau gosto nas suas redes sociais, o site conseguiu atrair a ira de seus leitores e perder seguidores.

No início da manhã, a fanpage tinha mais de 8,3 milhões de seguidores no Facebook, e apenas na tarde de terça o número já havia caído para 7,9 milhões, ficando nessa madrugada em 7,894 – e continua caindo, de acordo com o Quintly.

Nem mesmo com o pedido de desculpas o site conseguiu contornar a situação. E para piorar em uma postagem, o Catraca finalmente prestou homenagens. O problema dessa vez foi o plágio.

Pode-se descrever esse episódio como uma tragédia virtual. O problema que no caso das redes sociais, o usuário pode voltar a curtir o conteúdo. Mas, os jogadores da Chapecoense jamais poderão entrar em campo para completar a façanha de disputar um título internacional e ter desbancado os times tradicionais.

É lamentável o que houve… não há palavras para descrever. Ainda bem que o brasileiro e expert em ser solidário. Essa é boa hora para ajudar quem ficou. Já a respeito dos causos que ocorrem na internet. Nada como um dia após outro. Certamente outro bafão vai tirar o foco desse episódio.

E se não acontecer, a página 2 da procura no Google é suficiente para os internautas não se importarem tanto. Por isso, um ditado antigo, bem velhinho mesmo, mas que se adequa a essa situação.

“Há três coisas na vida que nunca voltam atrás: a flecha lançada, a palavra pronunciada e a oportunidade perdida”.
A vida continua… dolorida, mas continua!

Bruna Lopes é jornalista
jornalistabrunalopes@gmail.com

editorial

A conferir

 

Muitos discursos durante a inauguração da Superintendência do Dnit no Estado e a posse do superintendente, mas o que interessa mesmo para a sociedade é saber se o órgão vai, efetivamente, realizar as obras que o Estado tanto precisa, de modo particular, o asfaltamento da BR-364 até Cruzeiro do Sul. Como ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook