VADE RETRO

Postado em 22/06/2016 03:54:46 Gilberto Braga

O papa Francisco idealizou a Fundação Pontifícia Scholas Occurrentes para promover a educação inclusiva, a tolerância e a paz pelo encontro de escolas e de jovens de diferentes nações e culturas. Na sua santa teimosia para melhorar o mundo, confunde uma vez mais utopia e milagre. Claro que edificação tão desafiante exige dinheiro. Mas Francisco tem coerência para lembrar que um fim realmente bom não se pode fazer por qualquer meio nem a qualquer custo. Tanto é assim que ele fez a Scholas Occurrentes recusar uma doação do governo argentino no exato valorde 16 milhões e 666 mil pesos. Cerca de 4 milhões de dólares.

O presidente Maurício Macri mandou fazer a doação. E deu publicidade. Logo correu mundo a notícia do “apoio” do Governo da Argentina à Scholas Occurrentes. Até a Rádio do Vaticano noticiou. Mas ao ser informado da novidade, o papa argentino mandou os dirigentes da fundação comunicar a recusa.

Há grandeza e simbologia no gesto de Francisco. Aceitar tal doação faria parecer descaso da Igreja e do papa em relação a grave crise que penaliza a população do seu próprio país.

O presidente Macri nunca comungou com a atenção social que o papa, ouo então bispo Jorge Bergoglio buscava para os argentinos mais pobres. A súbita generosidade macrista gerou desconfiança de assédio político, talvez a tentativa de comprar a simpatia do Papa para um governo cada vez mais impopular.

Macri assumiu a presidência da Argentina acusando a ex-presidente Cristina Kirchner de populismo e corrupção. Prometia botar o país rapidamente nos trilhos e obter “pobreza zero”. Mas sacrificando programas sociais em favor dos interesses do mercado,nos seus três primeiros meses de governo jogou 1,4 milhão de trabalhadoresna pobreza, que passou a afetar 34% da população de 40 milhões de argentinos, segundo estudo da Universidade Católica.

O governo liberal argentino do qual o Papa quer distância serve de modelo para Michel Temer, que na sua interinidade na Presidência do Brasiltambém fala de populismo e corrupção para confundir e justificar a troca do compromisso popular da presidente Dilma pelos interesses do mercado.

A América Latina testemunha fatos espantosos, como o presidente da Argentina oferecer à Igreja Católica uma doação marcada pela cifra 666, o número da Besta. Por sorte, nossos hermanostêm lá alguém com a coragem de gritar: “vaderetro!”.

editorial

Uma boa medida

 

Como este jornal mostrou na edição de domingo, pelo menos, aqui, no Estado, as autoridades de segurança estão tomando medidas para evitar as chacinas que vêm se sucedendo em diversos estados com as disputas entre as famigeradas facções e, ao mesmo tempo, prevenindo e combatendo a criminalidade aqui fora com ...

Leia mais...

clima

Rio Branco - AC
agazetanofacebook