Cirurgia íntima feminina: alguns tipos

Os motivos mais comuns que fazem as mulheres recorrerem a cirurgia íntima estão no excesso de tamanho dos pequenos ou dos grandes lábios vaginais ou ainda o monte pubiano muito volumoso, o que muitas vezes até impede o uso de calças muito justas ou biquínis. Essas cirurgias costumam ser simples e os principais tipos são:

CLITORIPLASTIA
Essa cirurgia é pouco comum, sendo indicada para reconstituição do clitóris em casos de circuncisão feminina, ou quando, por problemas de má-formação, o clitóris fica encoberto, prejudicando o prazer sexual.

MONTE DE VENUS VOLUMOSO (Lipoaspiração no monte de vênus)
O monte de vênus volumoso é ocasionado por gordura localizada sobre o púbis, interferindo na aparência estética genital. A correção é feita por meio de lipoaspiração local, sendo uma cirurgia bastante simples, com duração de no máximo 30 minutos. O pós-operatório é o mesmo da cirurgia de pequenos lábios.

ESTREITAMENTO VAGINAL (Perineoplastia)
Em geral, as mulheres que tiveram parto normal e aquelas com mais idade costumam apresentar alargamento vaginal. A correção é feita através da retirada de mucosa e fechamento do músculo, com anestesia local. O tempo cirúrgico médio é de 60 minutos. A paciente só deve retornar às suas atividades normais após 48 horas. Deve guardar repouso e não fazer exercícios por 15 dias. Abstinência sexual de 45 dias.

LABIOPLASTIA
Para reduzir ou redefinir os pequenos ou grandes lábios vaginais. Indicada em casos de flacidez, hipertrofia (volume excessivo) ou problemas de má-formação. Em casos de murchamento, utiliza-se um enxerto de gordura extraída da própria paciente para preencher os grandes lábios.

GRANDES LÁBIOS (Redução dos lábios vaginais)
No caso dos grandes lábios muito espessos e volumosos, dependendo do caso pode ser feita a lipoaspiração, algumas vezes com retirada de parte do tecido. Em algumas mulheres com a idade podem ficar murchos e flácidos; neste caso pode ser feito preenchimento com gordura da própria paciente retirada de outro local.

PEQUENOS LÁBIOS (Redução dos lábios vaginais)
É uma cirurgia plástica realizada com o objetivo de retirar parte da pele excedente dos pequenos lá-bios. Devido a idade ou má-formação os pequenos lábios, se tornam maiores que os grandes lábios. Tal situação pode causar dor e desconforto, além prejudicar a penetração.

O procedimento geralmente é mais procurado entre as mulheres que têm uma vida sexual ativa, normalmente com um parceiro fixo. De acordo com os especialistas outro benefício relatado pelas mulheres é que o procedimento facilita a relação sexual melhorando sensivelmente a auto-estima da mulher
Na cirurgia de redução dos pequenos lábios é retirado o excesso de tecido, restaurando um aspecto estético e natural. A sutura é feita com fio absorvível, que cai espontaneamente, não ficando nenhuma cicatriz aparente.

A anestesia utilizada pode ser local com sedação, durando a cirurgia entre 30 minutos e 1 hora, podendo-se ter alta logo após o procedimento. Segundo os estudiosos da área não existe qualquer perda de sensibilidade, sendo a única recomendação a abstinência sexual por 30 dias.

No pós-operatório geralmente são receitados antibióticos e analgésicos, além de pomada anestésica na região, que fica com hematomas. Nas primeiras 48 horas, compressas de gelo ajudam a diminuir o inchaço e duchas para a higiene devem ser feitas de acordo com as necessidades.

Após um mês da cirurgia a pa-ciente já pode retornar e aumentar gradativamente atividades físicas.

A cirurgia de redução dos pequenos lábios não é agressiva, tem processo rápido e seguro para a paciente, dura apenas 40 minutos, a recuperação é indolor e custa em média R$ 3 mil a R$ 5 mil.

A alta hospitalar pode ocorrer no mesmo dia, o retorno ao trabalho geralmente acontece em mais ou menos três dias e as relações se-xuais poderão ser retomadas dentro de 21 dias.

Cerca de 80% dos resultados podem ser observados num período de dois meses. Porém, como qualquer tipo de cirurgia plástica, o resultado final poderá ser obtido ao final de seis meses.

Vale ressaltar que considerando o tipo de pele local a cicatrização nessa região fica discreta e escondida, ou seja, pouco perceptível, o que com certeza deixa a mulher muito mais segura no seu dia-a-dia.

IMPORTANTE
As partes íntimas da mulher é uma área extremamente irrigada e delicada, mas as técnicas de cirurgia íntima são consideradas seguras. Contudo, necessário se faz que a mulher esteja atenta e certifique-se de que sua cirurgia será realizada por médico especialista e em local devidamente apropriado.

* Terezinha de Freitas Ferreira é doutora em Enfermagem pela Universidade de São Paulo – USP. Professora do Centro de Ciências da Saúde e do Desporto – CCDS/Ufac. Coordenadora do Mestrado e Doutorado Interinstitucional em Saúde Pública da Universidade de São Paulo – USP/Ufac.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation