Política local 22/12/2009

“É melhor vencermos a nós mesmo do que ao mundo”.

Jean Paul Sartre – filósofo francês.

Brincando com a malária
O secretário Sérgio Roberto está brincando com coisa séria. Para substituir os 230 agentes de endemias demitidos em Cruzeiro do Sul, consta, serão contratados pouco mais de cem novos servidores. Isso é brincar com a malária numa das regiões mais endêmicas do Brasil. Na entrada do inverno, isso é um convite a uma nova epidemia.

 Não se discute
Não se discute as demissões (teriam que ser feitas), mas contratar um número menor de agentes.

Vale a iniciativa
Se a deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB) vai conseguir aprovar o aumento salarial aos Soldados da Borracha, não se sabe. Mas, a sua iniciativa é sim, meritória.

Muito pouco
Tudo o que se fizer por esta categoria ainda é muito pouco.

 Se dando bem
Até o “compadre Raimundinho Damasceno”, a maior fortuna de Tarauacá, entre as mais sólidas do Acre, está entre os beneficiados pela importação de tomate do Peru.

Mais miserável
Enquanto isso, a população de Tarauacá vai continuar mais miserável ainda.

Mexida geral
O prefeito de Sena Madureira, Wanderley Zaire, enfim, resolveu dar seu tom à sua administração que vinha sendo confundida com a do ex-prefeito Nílson Areal.

Mexidas necessárias
Zaire vai começar o ano com mexidas em postos chaves na prefeitura, mudando pessoas que não vestem sua camisa.

Um furo
Importante político do PT me disse ontem que, havendo nova eleição em Sena Madureira, o partido vai indicar o empresário Tião Lucena (PT) como vice.

Torcida fervorosa
Vereador Mano Rufino (PR) é o nome pelo qual, o grupo da ex-prefeita Toinha Vieira (PSDB) torce, para ver indicado vice de Zaire: tem contra o mesmo uma farta munição.

Escândalo do ano
Falando em Sena Madureira, ela será palco de um escândalo político gigante em 2010.

Nome que disputa
Quem for fazer qualquer lista sobre nomes fortes para a Câmara Federal na FPA, é bom não deixar de incluir o do deputado Thaumaturgo Lima (PT).

Tudo direcionado
A cúpula do PT direcionou todos diretórios do Juruá para apoiar sua candidatura.

É cada uma
Corria boato ontem que o DEM quer lançar o empresário Raimundo Noleto ao governo. A sua chance é a mesma de eu vir a ser presidente dos Estados Unidos.

Depois ficam furiosos
Depois ficam com raiva quando se diz que a oposição continua sendo amadora.

Passeio maior
Se com Tião Bocalom (PSDB) e Rodrigo Pinto (PMDB), que já são conhecidos, será muito difícil bater a candidatura do Tião Viana (PT), imaginem com um desconhecido.

Rindo do papelão
A cúpula do PT deve estar dando gostosas gargalhadas com uma trapalhada atrás da outra.

Não pode passar
O deputado federal Henrique Afonso (PV) não pode deixar passar de janeiro a decisão se será candidato ao Senado ou à reeleição: a indefinição lhe causa prejuízo político.

Questionamentos
O que mais se questiona nas rodas políticas é a quem será candidato em 2010.

Na parede
Não se pode deixar de se reconhecer que o destaque da oposição deste período legislativo foi o deputado Luiz Calixto (PSL), disparado, por não falar abobrinhas.

Não foi mal
O líder do governo, deputado Moisés Diniz (PCdoB), não foi mal à frente do posto. O problema é que tem dificuldade de receber informações para rebater a oposição.

Sabe-se
Moisés não fala, mas sabe-se que é uma novela receber dados do governo para contestar uma denúncia, que pode até ser frágil, mas acaba virando verdade.

Sem pente
Sem peruca, a ministra Dilma Rousseff, apareceu em público. Ficou com uma imagem de quem acorda e se esquece de pentear os cabelos.

Festival de votos
2010 será um festival de votos. O eleitor vai votar no referendo do horário, para deputado estadual, deputado federal, governador e duas vezes para senador.

Pouco pirão

No tocante ao Senado, a indefinição é tão grande na oposição como na FPA. Na oposição disputam a indicação João Correia (PMDB), Fernando Lage (DEM), Normando Sales (PSDB), Sérgio Barros (PSDB) e Márcio Bittar (PSDB). Na FPA, a disputa se dá entre Fernando Melo (PT), Edvaldo Magalhães (PCdoB) e Henrique Afonso (PV). É muita boca para pouco pirão.

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation