Política nacional 27/12/2009

“Qualquer um faria [o mesmo]”.


Presidente do STJ, César Asfor, defendendo a decisão de suspender a Satiagraha.

DF: denunciante também coleciona processos
Ohomem-bomba Durval Barbosa e réu em 32 processos, por supostas maracutaias nos tempos que presidiu a estatal Codeplan, no DF, e responde a dois processos no Supremo Tribunal Federal na companhia de figuras ilustres como o ex-governador Joaquim Roriz, o ex-deputado Pedro Passos e Rogério Rosso, atual dirigente da mesma Codeplan, principal cliente de empresas de informática no governo do DF.

Arruda na dança
O governador José Roberto Arruda também responde a um processo no STF, mas movido pelo Ministério Público do Trabalho.

Devagar, quase parando
Reflete-se em várias obras públicas, no DF, o clima borocoxô dos integrantes que sobraram no governo Arruda. O ritmo diminuiu muito.

Vergonha
Pesquisa Dados, no DF, mostra que 68% dos moradores dão nota máxima 5 ao trabalho (ou à falta dele) dos deputados distritais.

Festa minha
Apesar do mensalão do DEM no DF, 86,1% da população não quer cancelar a festa dos 50 Anos de Brasília, segundo a pesquisa Dados.

Governo quase privatiza…
O Governo do Distrito Federal vai fechar 2009 com quase R$ 54 milhões pagos a clínicas particulares que realizam, desde 2007, tratamentos de hemodiálise em pacientes que não conseguem atendimento na rede pública de saúde. Só este ano, foram pagos R$ 18,9 milhões com a “terceirização” da hemodiálise. Para 2010, a previsão do GDF é de que esse número chegue a R$ 22 milhões.

Perspectiva
A Associação de Renais de Brasília diz que o valor gasto com a “terceirização” poderia custear mil novas máquinas de hemodiálise.

Números
Em Brasília, 1,2 mil pessoas precisam de hemodiálise. Destas, 75% dependem do serviço público de saúde.

Assopra
O BNDES vai financiar “fazendas de vento” no Sul do país por R$ 838 milhões. A ideia é incentivar a “energia limpa” no Brasil do Pré-Sal.

A conta do afano
O relatório da CPI da Câmara que investigou o aumento astronômico nas contas de luz dos recomenda à Aneel que recalcule, em 30 dias, exatamente quanto foi cobrado a mais da população. Estimativas iniciais apontavam R$ 7 bilhões, mas podem chegar R$ 41 bilhões.

Desrespeito deliberado
Segundo o relatório final da CPI da Conta de Luz, ficaram identificados “indícios claros” de que a atuação da Aneel “foi deliberada no sentido de repassar todos os riscos financeiros do serviço de distribuição de energia” aos consumidores para aumentar o lucro dos concessionários.

Vai demorar
A presidente da Ordem dos Advogados do Brasil do DF, Estefânia Viveiros, prevê que a votação dos pedidos de impeachment do governador José Roberto Arruda deve ficar para junho de 2010.

Na casa do ‘DEMsalão’
Para a manutenção e funcionamento da TV Legislativa do DF, foram investidos R$ 4,7 milhões. Os R$ 500 mil previstos para a Rádio Legislativa não foram gastos. É que o projeto não saiu do papel.

Faturando merreca
Relator do Orçamento, o deputado Geraldo Magela (PT-DF) tentou faturar uma decisão que na verdade não foi dele, mas do ministro Paulo Bernardo (Planejamento): fixar o salário mínimo em R$ 510.

Para turista ver
O Senado não vai parar neste recesso, pelo menos para os cu-riosos. Na véspera de Ano Novo, as visitas guiadas podem ser feitas até às 15h. No dia 1º, o Salão Negro abre às 13h. A visita termina só às 20h.

Abertura
A proximidade da Copa do Mundo de 2014 e das Olimpíadas de 2016 fez o governo retomar a discussão da abertura do mercado doméstico de aviação civil para empresas estrangeiras. Não dá para confiar em TAM, Gol e outras porcarias que monopolizam esse mercado.

HPV: cadê a vacina?
Uma em cada quatro mulheres brasileiras está infectada pelo HPV, principal causa de câncer de útero. O risco maior atinge as que começam a vida sexual mais cedo, diz a Organização Mundial de Saúde. Já passou da hora de o Ministério da Saúde liberar as vacinas.

Pensando bem…
…a safadeza de políticos do DF faz lembrar a frase do Barão de Itararé: “O voto deve ser rigorosamente secreto. Só assim, afinal, o eleitor não terá vergonha de votar no seu candidato”.

PODER SEM PUDOR

Chorou e não ‘mamou’

Na votação final do Orçamento de 2004, o PFL mostrou que é um expert na mendicância por verbas. No último dia de votação antes do Natal, após uma madrugada de discussão, os parlamentares tinham chegado finalmente a um acordo, com uma redivisão de emendas para tentar agradar a todos. O deputado Rodrigo Maia (PFL-RJ) tomou a palavra e pediu que o seu Estado ganhasse mais um pouco. Ganhou vaias. No final, ele se justificou:
– Afinal, quem não chora não mama…

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation