Bando leva R$ 480 mil de distribuidora e faz mulher e filha de gerente reféns

Atacadao
O assalto ousado, que rendeu cerca de R$ 480 mil para seis criminosos armados de metralhadoras e pistola, começou por volta das 20h de terça-feira, quando os bandidos invadiram a casa de Gilberto Holanda, 45 anos, e fizeram a mulher e a filha de apenas três anos de reféns.

Segundo informações de Gilberto, ele chegou a casa por volta das 20h30 e se deparou com seis homens armados com pistolas, metralhadoras e revólveres dentro de sua residência e com armas apontadas para a mulher e a filha.

“Eles disseram que não queriam nada comigo, queriam pegar o meu patrão. Eles queriam que eu fosse levá-los à casa do dono do Atacadão Rio Branco, mas eu disse que ele não estava na cidade”, relata.

Nesse momento, segundo o gerente, dois assaltantes ficaram na casa dele fazendo a mulher e a filha reféns e dois seguiram com ele em direção ao Atacadão Rio Branco.
Quando chegaram à empresa, o vigia de nome Ivo estava do lado de fora conversando com dois amigos.

Os bandidos renderam o vigia e os dois homens e obrigaram os três a entrar na empresa junto com o gerente. Minutos depois chegou mais um assaltante.
Usando uma picareta, os ladrões arrombaram o cofre onde quase R$ 500 mil estava guardado.

O proprietário acredita que os assaltantes roubaram aproximadamente R$ 480 mil e fugiram em um veículo que os aguardava do lado de fora.

O gerente foi levado pelos assaltantes a uma estrada deserta próxima a Via Verde, onde foi deixado.

Polícia “fecha” as saídas da cidade e bandidos não são encontrados – Por volta das 22h a mulher do gerente conseguiu ligar para o Ciosp e comunicar que o marido teria sido seqüestrado por bandidos armados.

Imediatamente, várias viaturas da Polícia Militar foram acionadas. Em seguida, o gerente ligou para a polícia informando que havia sido libertado pelos bandidos.
Uma equipe do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e Polícia Técnica foram ao local do crime, onde a polícia colheu imagens do circuito de segurança, que registrou toda ação dos assaltantes.

Segundo informações das vítimas, os assaltantes usavam metralhadoras, pistolas e revólver.

O alerta foi repassado a toda polícia do Estado e barreiras foram montadas nas saídas de Rio Branco e nas cidades que fazem fronteira com a Bolívia.

Quadrilha tinha informações da rotina da empresa – Os assaltantes já sabiam que o carro forte não passava para recolher o dinheiro da empresa há pelo menos três dias, e que no cofre havia uma quantidade grande de dinheiro em espécie.

Eles sabiam também que o gerente Gilberto Holanda ficava com as chaves do escritório e armazém, e que na casa dele ficavam somente a mulher e a filha de três anos.

A polícia não tem pistas do paradeiro dos assaltantes, segundo informações das vítimas e imagens do circuito de segurança, o bando usava capuz e blusas de mangas compridas.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation