Política local 28/01/2010

“As dificuldades, como as montanhas, aplainam-se quando avançamos por elas”.

Emile Zola (1840-1902) – escritor francês.

Conversa por cima
A presidente do PTB, Iolanda Lima, que conseguiu tirar o partido do buraco, agora com uma boa sede na Rua Alexandre Farhat, 279, deliberou ontem com outros membros da executiva regional de só aprofundar as discussões sobre alianças após o Carnaval, sem intermediários, e diretamente com os candidatos majoritários da FPA. O PTB tem um diferencial sobre os chamados “nanicos”: uma “mercadoria” valiosa numa campanha, 4 minutos no horário eleitoral.

 Disputa profana
Jessé Santiago (PSB) e Antonia Lucia (PSC) vão travar nos próximos dias uma dura batalha profana para ver quem será o candidato oficial da Assembléia de Deus à Câmara Federal.

Esquema milionário
Segundo fontes da coluna, o deputado federal Silas Câmara (PSC) está jogando pesado no cacife dos pastores que votarão na escolha, para uma vitória da esposa Antonia Lucia (PSC).

Muito difícil
Fica difícil o vereador Jessé Santiago (PSB) disputar a indicação com o verbo e a Antonia Lucia (PSC) com a verba, porque nem só de salmos vivem os pastores, mas também do vil metal.

Um dos muitos
Este será mais um dos muitos barracos que Antonia Lucia e Jessé Santiago vão travar dentro da Assembléia de Deus pelos votos dos evangélicos ao longo da eleição deste ano.

Temporada de disputa
Com a chegada ontem de Edvaldo Magalhães (PCdoB) está aberta a temporada de disputa da indicação para a segunda vaga do Senado com Fernando Melo (PT) e Henrique Afonso (PV).

Fora de cogitação
O ex-vereador Márcio Batista (PCdoB) ligou ontem para garantir que, se alguém do seu partido resolver disputar a presidência do Sinteac, não será ele.

Bom senso
Foi uma decisão de bom senso não correr o risco de acumular nova derrota no currículo.

Punindo os humildes
O deputado Walter Prado (PDT) promete ir para cima do presidente do Saerb, Semy Ferraz, por contratar por R$ 30 mil uma empresa para colocar os devedores do Acre no Serasa.

Verdadeira extorsão
Prado promete ocupar a tribuna na primeira sessão para denunciar o que chama de “extorsão dos pobres”, comandada por Semy Ferraz contra milhares de famílias humildes da Capital.

Como explicar?
Como a maioria esmagadora de devedores do Saerb é de famílias de baixa renda, Walter Prado (PDT) considera que a medida do Saerb será um prato cheio para oposição este ano.

De olho no mandato
O presidente do Sinteac, Ma-noel Lima, vai disputar com chance uma cadeira de deputado estadual, por estar sentado em cima de um considerável orçamento para manipular.

Chapa fraca
Sua chance também está na chapa do PT para a Aleac não ser nenhuma Brastemp.

Nem se reelegeu
O deputado Luiz Tchê (PDT) ainda nem se reelegeu e já anda cabalando votos para a presidência da Assembléia Legislativa no próximo ano.

Nem pensar
O deputado federal Flaviano Melo (PSDB) disse que vai esperar que o tempo coloque a razão na cabeça de alguns dirigentes da oposição, com a história de dois candidatos ao governo.

Pode ser
Pode ser que ocorra se o Flaviano conseguir que as araras do seu sítio cantem o Hino Nacional.

Só uma saída
Pela intransigência do Tião Bocalom (PSDB), a única maneira de lhe tirar de campo seria uma intervenção do diretório nacional, algo praticamente impossível de acontecer.

Domínio total
Tião Bocalom tem domínio e manipula para onde quiser o diretório regional do PSDB.

Nunca viu
O ex-deputado federal Osmir Lima (PTB), que foi suplente na chapa do Sérgio Barros (PSDB) quando disputou o Senado, disse que não conhece alguém tão prolixo e vazio de idéias.

Senha que dispersava
É verdade. Toda vez que nas reuniões do MDA alguém via o Sérgio Barros se aproximando, bradava: “lá vem o Rolando Lero”. Era a senha para todo mundo vazar do recinto.

Mérito inquestionável
Pode alguém não gostar dos irmãos Jorge e Tião Viana por um ou outro motivo, mas ninguém pode lhes tirar o mérito de ter transformado o então minúsculo PT no maior partido do Acre.

Nem peteca
Antes da era Jorge Viana e Tião Viana o PT não ganhava nem jogo de peteca.

Feijão milionário

Um deputado da oposição comentava ontem que não morre antes de descobrir que ingredientes que tinham na famosa feijoada do PT organizada pelo Dudé que dava meia dúzia de gatos pingados e rendia milhares de reais para a campanha. Quando a oposição indagava de onde vinham os gastos com contratação de cantores, conjuntos, compra de camisas, cartazes, o Dudé, homem forte do PT à época, respondia: “da feijoada, ora!”.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation