Política nacional 31/01/2010

“O mundo fechou olhos e ouvidos para o Haiti”.

Presidente Lula, em sua mensagem de agradecimento ao prêmio “Estadista Global”.

Mágoa de Ciro no congelador; por enquanto
Éum poço de mágoa o quase talvez candidato à Presidência Ciro Gomes, que “sumiu” em viagem de férias a Portugal.  Não admite o ostracismo imposto por Lula e o PT, nem a declarada antipatia da pré-candidata Dilma. Nem esquece os “serviços” prestados aos petistas e a defesa do presidente na crise do mensalão. Ministro de Lula, rompeu com o PPS e “apanhou” do PT. O PSB teme que a mágoa descongele.

Fiel da balança?
Pesquisa Vox Populi indica que a desistência de Ciro Gomes beneficiaria mais o tucano José Serra que a petista Dilma Rousseff.

Ele é o cara
Analistas políticos acham que, apoiado por Lula, Ciro Gomes tem potencial de crescimento para presidente maior que o de Dilma.

Loucos por medalha
O Itamaraty vai gastar R$ 734 mil em medalhas e colares da Ordem do Rio Branco para civis e militares por “serviços inestimáveis ao país”.

Perguntar não dá Ibope
Seguindo o exemplo de outros filmes brasileiros, será que “Lula, o Filho do Brasil” vai virar uma minissérie da Globo?

Engenheiro tem solução
O engenheiro paranaense Thomas Fendel, criador do primeiro carro movido a óleo vegetal – copiado agora por montadoras – aponta solução simples e barata contra as enchentes em São Paulo: pequenas hidrelétricas. O Rio Pinheiros, diz ele, está a menos de 40km do mar, a represa Billings, a 10km e a 750m acima do nível. Uma queda de 700m gera energia, e limpa a calha do Tietê e do Pinheiros. Grátis.

O micro no macro
Para o engenheiro Thomas Fendel, piscinões paulistanos “são inúteis, consomem energia e trabalho demais. A solução: “microhidrelétricas”.

Vergonha
O Brasil teve 32 mil casos de lepra em 2009, diz o Ministério da Saúde. Menos que em 2008, mas um número muito alto. Pior, só na Índia.

Alô, Anac
A Anac vai gastar R$ 5,5 milhões para “atualizar” seu telefones. Quem sabe agora vai escutar os maltratados clientes de empresas aéreas.

Faz sentido
A equipe de limpeza do Senado resolveu dar um “trato” no Salão Azul. Alguns funcioná-rios que já voltaram ao trabalho reclamaram do mau cheiro. Elementar: tem muita sujeira acumulada debaixo do tapete…

Zelaya é carma
Coitado do diplomata brasileiro Francisco Catunda: após aturar Manuel Zelaya por 128 dias refestelado na embaixada do Brasil em Tegucigalpa, ele foi transferido para Santo Domingo, na República Dominicana. Mesma cidade onde o mala-sem-alça agora vive.

Tempo fechado
Nem tudo são flores nas relações do presidente Lula com sua mulher, d. Marisa. Os amigos andam muito preocupados com as discussões cada vez mais frequentes – e mais ásperas – do casal.

É grave a crise
É queixa recorrente dos médicos: muitos pacientes deixam de tomar  hipertensivo ou tomam ocasionalmente, temendo impotência. Além de ignorância machista, é morte certa.

Ele merece
O documentário “Perdão, Mister Fiel”, de Jorge Oliveira, sobre o operário comunista Manoel Fiel Filho, torturado e morto no DOI-Codi, foi muito aplaudido 7º Festival de Cinema de Campo Grande.

Volta para o futuro
O maior sucesso nas discotecas da Europa é a versão “techno” do célebre “Caminhando”, de Geraldo Vandré, cantado por Simone no Canecão, em 1979. O DJ autor do “mix” vai mostrá-la no Rio, dia 10.

Tudo azul
A delegada Martha Vargas, que investigou o assassinato do ex-ministro do TSE José Guilherme Villela em Brasília, reapareceu após as férias usando lentes de contato azuis. Ela agora preside o inquérito sobre a morte da jornalista Lanusse Martins, durante uma “lipoescultura”.

O triunfo de Morfeu
Maldade na internet: Lula e d. Marisa assistem ao “Lago dos cisnes”, num compromisso oficial. Cansada, ela dorme. Acorda sem graça: “Será que alguém notou?”. Lula responde: “Na platéia, não sei, mas os bailarinos estão há horas na ponta dos pés, para não te acordar”.

Pensando bem…
..chegará o dia em que políticos inaugurarão até pedra nos rins.

PODER SEM PUDOR

Estado ‘tolerante’

O deputado Armando Monteiro Neto (PTB-PE), presidente da Confederação Nacional das Indústrias, certamente não se inspirou no avô para quando opinou sobre o polêmico controle externo do Judiciário. Ex-deputado e ex-ministro, Monteiro proclamava, nos tempos de Getúlio Vargas:
– A Justiça é uma tolerância do Estado Novo…

Assuntos desta notícia

Join the Conversation