Ensino Especial recebe materiais didáticos para as salas de recursos

especial

Material didático auxilia no processo ensino/aprendizagem de crianças com necessidades especiais de atendimento

 Acre recebeu 6460 livros didáticos e 5700 softwares

Este ano, os alunos da Educação Especial serão contemplados com 4306 equipamentos e mobiliários para as salas de recursos que serão distribuídos em 144 escolas. Atualmente, o Estado possui 188 instituições de ensino funcionando com esta estrutura e atende 3237 alunos, através de materiais pedagógicos e de acessibilidade, para a realização do atendimento educacional especializado complementar ou suplementar à escolarização.

O Acre recebeu ainda 6460 livros didáticos e 5700 softwares que serão divididos entre 148 instituições de ensino da rede pública. As salas de recursos são compostas por software para produção de desenhos gráficos e táteis, calculadora sonora, dominó com textura, lupa eletrônica, globo terrestre e kit de desenho geométrico adaptados, impressora e máquina em braile. Esses ambientes são necessários para promover e apoiar a realização das adequações ou suplementações curriculares ao processo de ensino/aprendizagem, por meio de técnicas, procedimentos de enriquecimento e aceleração curricular.

De 2005 a 2009, foram oferecidas 15.551 salas de recursos multifuncionais, distribuídas em todos os estados e o Distrito Federal, sendo com isso atendidos 4.564 municípios brasileiros – 82% do total. “As salas de recursos proporcionaram uma maior organização para atender os alunos especiais, passamos a trabalhar orientados pelas capacitações oferecidas pela Secretaria de Estado de Educação, desenvolvendo habilidades para trabalhar com esse público”, explica a gestora da escola Clínio Brandão, Jaqueline Guimarães.

O Ensino Especial vem apresentando um crescente desenvolvimento. Em 1998, obteve-se 34 estudantes especiais inseridos no ensino regular; em 2008, foram 3500 e em 2010 a previsão é de cinco mil. “Nos últimos anos tivemos uma melhoria na capacitação das escolas e dos profissionais que atuam nesta área. O desafio maior é de incluir na sala de aula crianças que recebem o benefício e não estão matriculadas”, explica a coordenadora do Ensino Especial no Acre, Claudia de Paoli.

De 2004 a 2008 as escolas receberam 166 reformas e ampliações, além de 34 construções, todas com adaptações arquitetônicas de acessibilidade que possibilitam a qualidade do ensino. “Os jogos e livros em braile utilizados na sala de recurso têm me ajudado a desenvolver a alfabetização e agora estou aprendendo a utilizar o computador com programas que incentivam a desenvolver a memória”, explica a aluna da escola Adalberto Sena, Luana Silva.

O Estado do Acre oferece serviços de 43 intérpretes e 30 instrutores de libras em Rio Branco, Cruzeiro do Sul e Xapuri, que auxiliam o desempenho escolar dos alunos junto aos professores. A intenção é oferecer um ensino de qualidade aos discentes com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades/superdotação, matriculados nas classes comuns do ensino regular.

Um dos aspectos que tem feito do Acre referência nesta modalidade de ensino tem sido a formação continuada de seus profissionais. Em 2009, foram oferecido sete cursos de capacitação voltados para o atendimento nas salas de recursos que abordam áreas como tecnologias acessíveis, língua portuguesa para deficiente auditivo, braile, sorobã e orientação/mobilidade. (Agência de Notícias do Acre)

 especial1

Assuntos desta notícia


Join the Conversation