Governo acelera aprendizagem de 2 mil jovens no Acre

AAAPoronga
Portas abertas. Foi assim, em poucas palavras, que a jovem Edilareza Magalhães, 17, definiu a importância do Projeto Poronga em sua vida, logo após receber o certificado de conclusão de ensino fundamental 5ª a 8ª série com mais 126 estudantes na noite da última sexta-feira, 29, no município de Xapuri. A cerimônia contou com a presença do prefeito, Bira Vasconcelos, da coordenadora do projeto, Emily Areal, vereadores e dezenas de pais dos formandos. O índice de aprovação no município foi de 99%.

“Aprendi muito com este programa, que me fez voltar a acreditar em mim, pois antes não tinha fé em concluir, e hoje, só penso em continuar meus estudos. Quero abrir mais portas e dizer para todos que estão fora da sala de aula que conheçam esta iniciativa”, fala emocio-nada Edilareza que fez questão de ler para o público presente uma carta escrita por ela em agradecimento aos professores.

O Programa Especial de Aceleração da Aprendizagem de 5ª a 8ª séries do Ensino Fundamental para alunos em distorção idade/série – Projeto Poronga foi criado em 2002 em parceria com a Fundação Roberto Marinho com o objetivo de corrigir a distorção e proporcionar uma educação, onde o aluno aprenda a ser, desenvolvendo valores e resgatando a cidadania, buscando uma formação integral.

Desde sua implantação, o Poronga já conseguiu diminuir para menos de 30% o indicador de distorção idade/série no Acre, que chegava a 54,12% de alunos matriculados no ensino fundamental na zona urbana. O êxito se deve em grande parte a sua expansão (11 municípios atendidos) e metodologia de ensino. A estudante Francileuda da Silva, 16, faria parte das estatísticas de distorção se o programa não tivesse chegado a Xapuri, pois desistiu de estudar logo após sua gravidez, e não teve mais ânimo para retornar a escola. “O Poronga veio para avançar meu aprendizado. Aqui tive o apoio e o estímulo de toda a equipe para não desistir”, afirma.  

De acordo com Emily Areal, não foi fácil colocar em prática e obter confiança por parte da opinião pública e dos educadores um projeto inovador na maneira de construir o conhecimento. “Inicialmente a falta de credibilidade por parte das escolas, alunos, comunidade escolar e sociedade em geral que desacreditava na prática da unidocência e na metodologia, pudessem de fato acontecer e garantir a qualidade da aprendizagem dos alunos”, revela.

A programação das formaturas segue desde sábado, 30, com a certificação de 115 estudantes de Brasiléia e 82 de Epitaciolândia. Em fevereiro acontecem as colações de grau de Rio Branco, Cruzeiro do Sul, Sena Madu-reira, Senador Guiomard, Bujari, Feijó e Tarauacá. No total, 2.080 estudantes receberão o diploma de conclusão do ensino fundamental .

O desafio agora do programa  é reduzir até o final de 2010  o índice de distorção idade/série para 20% no ensino fundamental. Em comparação  aos outros estados o  Acre apresenta um dos menores indicadores de alunos em atraso escolar, servindo de referência e modelo para estados como Pernambuco, Amazonas, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Brasília e Tocantins.

Os profissionais do Estado adquiriram ao longo dos nove anos  de atividade, competência técnica no desenvolvimento da formação continuada de professores e supervisores, e hoje, a equipe é convidada para promover capacitações em outras regiões  do país, com a experiência de quem já certificou quase vinte mil estudantes, possibilitando-os de continuar  seus estudos  no ensino regular.  (Ascom SEE)

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation