Pular para o conteúdo

Produtoras trocam experiências para diversificar produção e usufruir de políticas públicas

As mulheres do Vale do Juruá têm história na luta pela sobrevivência. Quatro associações que se dedicam ao artesanato, produção de alimentos e produção agrícola reuniram-se na Vila Assis Brasil, no município de Cruzeiro do Sul, para troca de conhecimentos, organização em feiras conjuntas e obterem informações para participação nas políticas públicas.

São elas a Associação de Mulheres Produtoras de Biscoitos de Goma, da comunidade Assis Brasil; o Grupo Farinha Carimã que integra a Sociedade Agrícola São Pedro, o Grupo Pacha Mama Nawa, do Rio Croa e a Associação dos Quintais Agroflorestais.

A Secretaria de Extensão Agroflorestal e Produção Familiar (Seaprof) foi convidada a participar do encontro e enviou a técnica em agroindústria Maria Gleiciane Oliveira Cruz para falar sobre assuntos que interessam às associações como o acesso às linhas do Pronaf; como acessar assistência técnica; como participar do Programa do Governo ‘Compra Antecipada’; direitos trabalhistas e dinâmicas sobre o andamento das associações.

Durante o encontro, as associações fizeram propostas para intercâmbio entre elas bem como para participar de feiras e cursos. Gleiciane informa que proximamente a Seaprof irá oferecer um curso sobre o controle da mandarová, uma lagarta que  destrói  as plantações de mandioca.

Associações em ritmo de trabalho

Rosângela Silva de Souza é secretária da Associação dos Quintais Agroflorestais. A associação é nova, pois os quintais foram entregues no ano passado pelo Governo do Estado, mas está cheia de expectativas, como conta Rosângela, que pela primeira vez participa de uma oficina. Ela conta que nos quintais há pes-soas produzindo alimentos como tapioca, mas seu desejo particular é criar galinha caipira.

O Grupo Pacha Mama Nawa existe desde 2003 e produz artesanato como bonecas, pulseiras, colares. A presidente Elisabete de Souza conta que o senador Tião Viana comprou máquinas para que as artesãs pudessem trabalhar melhor e que o surgimento da associação fez a vida no Croa melhorar e trazer renda para as famílias.

A presidente do Grupo Farinha de Carimã, Edilene Bussons Lima, conta que seu grupo produz e vende bolo, torta, pudim tudo feito com farinha de carimã.  “Tudo que se faz com trigo, a gente faz com farinha de carimã” – disse. Ela informa que o Governo do Estado já aprovou e vai construir uma agroindústria para a associação, que não dispõe de um local apropriado para produzir em larga escala. Com 25 associados, o grupo aguarda a construção da fábrica e acredita que a produção vai aumentar e gerar emprego e renda na comunidade.

Na Associação das Mulheres Produtoras de Biscoitos de Goma, a produção está em alta, como informa a presidente Marliz da Costa Maciel. “A gente sempre tem encomenda, às vezes cai um pouco devido à falta de goma. A gente vende mais no mercado de Cruzeiro do Sul e para viajantes de Rio Branco, Tarauacá, etc. Cada uma das associadas tem sua unidade produtiva individual, mas o grupo está esperando sair sua fábrica que é um projeto do senador Tião Viana. Segundo ela, o senador destinou emenda no valor de R$ 500 mil para construção de fábrica,onde a produção será centralizada, o que vai proporcionar aumento da produção.

Ela conta que a construção da fábrica foi iniciativa do próprio senador: “Ele já sabia da existência do nosso produto que é muito vendido para fora e por iniciativa própria resolveu investir na construção de uma fábrica, destinando emenda individual para tanto. O recurso já está viabilizado e vai ser liberado através da Prefeitura de Cruzeiro do Sul”, disse. (Agência Acre)