Juventus fica apenas “meio Carnaval” em terras bolivianas

Após um mal começo, pelo menos no atendimento, depois diante de um campo inadequado para o futebol, o elenco e a comissão técnica do AC Juventus acabou antecipando seu retorno para Rio Branco. O objetivo era ficar de sábado à tarde até a manhã desta quarta-feira, período carnavalesco, porém ainda no domingo à noite, todos optaram pela volta.

Juventus
Ainda no domingo o Juventus realizou um amistoso contra o selecionado boliviano. O maior receio de alguns jogadores foi que, além do estado do gramado, os jogadores da equipe adversária encaravam como uma decisão. “Muitos de nós estávamos com medo de se machucar na véspera de um jogo importante”, disse um jogador que preferiu não se identificar.

O técnico Illimane Suares pode utilizar todos os jogadores à sua disposição. O departamento médico, em um raro fato, não tem nenhum jogador machucado, inclusive com o retorno do meia Rosier e do zagueiro Mário Augusto.

O único amistoso terminou empatado em 1 a 1, com o gol isolado do Juventus assinalado pelo centro-avante Marcelo Cabeção, cobrando penalidade máxima. O ponto negativo foi que o meia Thiago, um dos reforços, acabou sendo expulso.

A programação até o dia do jogo é a seguinte: quinta-feira, no estádio Antônio Aquino, à partir das 16h, na sexta-feira no estádio Arena da Floresta, às 16h, no sábado e domingo os treinos serão no próprio Juventus, e na segunda-feira, o treino de apronto será no estádio Arena da Floresta.

Sem Carnaval – Devido uma ação judicial, a última noite de Carnaval, marcada para terça-feira (16/2), acabou não se realizando. Segundo o diretor de patrimônio do Juventus, César Felício, disse que o valor da ação é de R$ 50 mil. “Chegaram oito oficiais de Justiça nas bilheterias para reter até chegar o valor, mas como a noite carnavalesca era do Pop Show Eventos, eles, em comum acordo com o Juventus, resolveram não abrir as portas. Agora vamos entrar com ação de perdas e danos pelo prejuízo sofrido”, afirmou o dirigente.

Demonstrando-se contrariado com a situação, o dirigente ainda acrescentou: “Nós, o Juventus, alugamos o clube para o Pop Show Eventos. Agora a Pop Show vai entrar com direito a ressarcimento no valor de R$ 150 mil, pois não respeitaram o contrato com eles”. César ressaltou que houve o confisco no valor de R$ 17 mil. “Esse era o dinheiro para o pagamento dos funcionários que estava atrasado”, lamentou.

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation