No início do ano, cesta básica sofre deflação de 2% na Capital

O ano de 2010 começou bem para o bolso dos consumidores acreanos. Em comparação com dezembro, o valor da cesta básica alimentar em janeiro sofreu leve deflação de 2,43% em Rio Branco. Em Cruzeiro do Sul, segundo maior mercado do Estado, o recuo foi ainda mais tímido: 0,40%. No primeiro mês de 2010, o preço dos 14 itens que compõem a cesta ficou em R$ 153,85 na Capital. Já em Cruzeiro do Sul, o custo total ficou em R$ 208,62.

Os números fazem parte da pesquisa mensal do Departamento de Estudos e Pesquisas Aplicadas à Gestão da Seplan (Secretaria de Planejamento). Em cotejo com janeiro de 2009, o custo com alimentação neste mesmo período de 2010 teve deflação de 1,95%. Não há comparativo em Cruzeiro do Sul já que as análises naquela cidade só começaram a ser feitas a partir do segundo semestre do ano passado.

O tomate é o produto analisado que mais contribuiu para a queda em Rio Branco. A fruta registrou uma deflação de 10,06%. Logo depois seguem o frango (-5,66%), o feijão (-4,52%), a carne (-3,70) e o óleo (-2,89%). Ante dezembro, a carne vermelha seguiu a tendência inversa da inflação registrada naquele mês, que foi de quase 5%. Na outra ponta do Estado, a banana foi a que mais contribuiu para diminuir os custos com alimentação pelos cruzeirenses.
Ela teve queda significativa de 24%. A mandioca, matéria-prima para a famosa e apreciada farinha de Cruzeiro do Sul, porém, seguiu caminho oposto. O item sofreu inflação no seu preço de 25,53%. Como não poderia deixar de ser, a própria farinha também pesou mais na hora das compras, com alta de quase 6%. Em Rio Branco o grande filão da balança foi o açúcar.

Com a cana-de-açúcar na entressafra, o grão tem registrado altas em todo o país. Se em Cruzeiro do Sul a banana ficou mais barata, o mesmo não aconteceu por essas bandas; reajuste de 1,85%. A pesquisa da Seplan ainda analisou o poder de compra do trabalhador com o novo salário mínimo. Na Capital, uma família padrão (dois adultos e três crianças) precisaria de 1,35 salários mínimos (R$ 690) para adquirir as cestas de alimentação, higiene pessoal e limpeza doméstica. 

Com um custo de vida maior em Cruzeiro do Sul, essa mesma família para comprar as três cestas básicas necessitaria de 1,76 salários, ou R$ 897, 77. 

 

 

Assuntos desta notícia

Join the Conversation