Pular para o conteúdo

População tem prejuízo de R$ 4 milhões com atraso dos Correios

No Estado do Acre, aproximadamente 200 mil pes-soas estão pagando multas mensais, a empresas de telefonia, operadoras de cartões e empresas que disponibilizam boletos bancários, via Correio.

Essa quantia daria para movimentar o comércio de Rio Branco, por várias semanas. Quem garante é o deputado Walter Prado (PDT), sobre estimativa feita com base em dados, fornecidos por bancos, nós últimos meses. “A população do Estado, paga mensalmente a quantia de R$ 4 milhões, em multas por atraso, engordando o faturamento exorbitante das operadoras de telefonia do país, que possuem a tarifa de serviço mais salgada do mundo”, acrescenta o parlamentar.

A situação de atraso das entregas dos Correios começou após a rescisão do contrato, com a empresa Beta, considerada inidônea, pela administração central dos Correios, que tentou um contrato aditivo com a empresa Total, mas o acordo não se concretizou, ficando as rotas de Amazonas, Mato Grosso, Rondônia e Acre, sem logística de transporte de cargas e correspondências.

A direção central do Correios realizou uma licitação, no mês de dezembro, para tentar resolver o problema, mas a empresa vencedora colocou o preço 20% acima do valor de referência, travando mais uma vez o processo, como conseqüência atrasando todas as entregas de dezembro, provocando acúmulo e atraso superior a 10 dias, nas entregas das encomendas e faturas via serviço postal.

O Estado recebe diariamente 80 mil objetos, entre cartas, encomendas e faturas, mas com os constantes atrasos as cargas se acumulam e, quando chegam ao Acre, o volume dobra e muitas vezes triplicam, levando a estrutura dos Correios a um colapso, pelo excesso de entregas. Segundo funcionários da área administrativa dos Correios, no Acre, a estrutura atual de 25 carros e 70 motos, é uma das melhores da região, mas os problemas com o transporte até de cargas vem prejudicando os trabalhos desenvolvidos nas cidades acreanas.

No mês de janeiro, uma comissão enviada pela administração central dos Cor-reios, passou uma semana fazendo um levantamento dos problemas no Acre e, constatou que os problemas não estavam relacionados aos serviços prestados pela regional do Estado, mas pelas longas distâncias e a ausência de uma empresa para fazer o transporte das encomendas, a partir de Brasília. O problema, segundo a comissão, seria resolvido se uma aeronave fosse disponibilizada para fazer o transporte das cargas até o Acre. (Assessoria)