Os novos heróis

Li numa folha de caderno de um estudante de onze anos um texto escrito no quadro pela professora e copiado por ele. O assunto era a arte cristã primitiva. O texto iniciava contextualizando o período em que o cristianismo era considerado uma ameaça ao governo romano, pois contestava a escravidão e a vida imoral dos ricos. Dizia que muitos cristãos foram mortos, torturados e aprisionados. E que por causa dessas perseguições, eles, os primeiros cristãos, enterravam seus mortos em galerias subterrâneas, as catacumbas, espécie de túneis escavados nas rochas, alguns metros abaixo da superfície. E que as paredes e os tetos desses locais começaram a receber as primeiras manifestações da pintura cristã que, no início, se limitaram a representações dos símbolos cristãos: a cruz, o peixe, etc., sendo que a arte cristã primitiva era carente de elementos artísticos, não sendo executadas por grandes artistas, mas por homens do povo, convertidos à nova religião. Por fim, veio o Edito de Milão em 313 tornando o cristianismo religião ofi-cial de Roma e os cristãos não mais sentiram necessidade de se ocultarem no interior das catacumbas. A arte, por sua vez, também se libertou, tomando novo impulso.
No caderno do menino os erros de ortografia podiam ser notados com uma breve leitura: olcutarem, em vez de ocultarem, catacubas em vez de catacumbas. Mas os erros de concordância nominal e verbal eram muitos, em nenhum trecho do texto a concordância se fazia conforme as normas.

A cópia do texto demorou todo o período da aula, segundo ele. E folhean-do o caderno do menino percebi que em nenhuma parte se encontrava sinais de correção por parte da professora. Já se passaram décadas quando a professora tomava os cadernos dos alunos, um a um, e fazia as correções necessárias, na sua frente, com tinta vermelha, além de exigir que escrevesse a mesma palavra, de forma correta, pelo menos dez vezes. O menino desse caderno ainda não aprendeu a consultar dicionários.

Quanto ao tema ele não com-preendeu absolutamente nada. Apenas disse que julgava ter sido uma aula de religião e que depois soube que era de artes. Ele nada sabe da história de Roma antiga. Não sabe o que quer dizer “primitivo”. E muito menos ficou com a mínima idéia de que a arte mencionada no texto era uma representação. Nada soube sobre símbolos e não viu em vídeo as imagens dos desenhos das catacumbas, nem mesmo as próprias cata-cumbas. Por conseguinte, a aula não tinha objetivo nenhum, sendo de artes a professora não dispunha de recurso visual algum, sendo um exercício de cópia não cumpriu também seu objetivo, porque não foram feitas as correções. O que comprova que a cópia, pelo menos na forma como é utilizada na escola é inócua.

Consultei uma pedagoga que lembrou de uma piada em que uma professora manda o menino escrever várias vezes a palavra coube, que ele havia grafado errado, e após encher uma folha de papel almaço, fez a seguinte observação: “professora, não escrevi mais por que não cabeu”. Na avaliação dela: “o problema não é a atividade de cópia em si, mas obrigar o aluno a copiar algo que não faz sentido para ele. Afinal, no dia-a-dia, fora da escola, só fazemos cópias com alguma utilidade, como copiar a letra de uma música ou um poema de que gostamos, ou uma receita de bolo, um endereço quando consultamos a lista telefônica, etc. Ou seja, a cópia funciona como suporte para a memória, ou para guardar coisas de que gostamos. E que só na escola ela é vista como um recurso para ensinar a escrever, mas o caso que você relata comprova que ela está sendo utilizada apenas para manter os coitados dos alunos quietos e ocupados”.

Notando meu interesse o menino quis me mostrar outra coisa. Disse que um professor pediu para desenhar uma flor e ele não estava entendendo. A flor, conforme vi na página do livro, era a rosa dos ventos, imagem gráfica dos pontos cardeais. Então, fui lhe explicar sobre os pontos cardeais. Ele disse que pensava que o Leste se tratava apenas do gesto de virar o braço para a direita.  Daí surgiu a necessidade de lhe explicar o movimento da terra ao redor de si mesma e ao redor do sol, bem como a duração de cada um, um dia e um ano respectivamente. E também que medimos uma linha em centímetros e um círculo em graus, já que precisava demonstrar que a cada 15 graus que a terra se movimenta passam-se sessenta minutos ou uma hora. Ele ficou muito curioso e perguntou sobre a Lua.

Então fui explicar que a Lua é um satélite da Terra, fiz um desenho tosco para que ele tivesse uma imagem da disposição dos planetas, explicando o que é órbita, e o fato de que permanecem a distâncias determinadas do sol, segundo uma ordem cósmica. De ime-diato, expliquei que não há desordem no Cosmos. Ele riu muito quando fiz trejeitos e emiti sons tentando imitar a dinâmica interna do Sol com explosões constantes. E que sem o Sol não existiríamos, nem vida alguma. Daí, ele perguntou sobre as estrelas, mas o meu tempo disponível havia acabado. Além disso, meus conhecimentos nessa área são muito elementares.

O menino possui todas as condições para a aprendizagem, ele faz as perguntas que se seguem num encadeamento lógico E eu fiquei pensando na possibilidade de pelo menos uma vez por semana, voltar a vê-lo e folhear seu caderno.

Uma aluna de faculdade um dia desses, me perguntou, durante uma aula de história: professora, qual é a diferença entre patriarca e patriarcal? Fiquei em silêncio, sem acreditar no que ouvira, por alguns minutos. Então respondi, fingindo que era uma pergunta adequada ao contexto da aula: patriarca é substantivo, patriarcal é adjetivo. Ela se calou, mas eu percebi, de imediato, que ela também não sabia o que é um substantivo nem o que é um adjetivo. Ela nunca estudou em Língua Portuguesa sobre prefixos gregos e latinos. Não com-preende derivação de palavras, não sabe a relação lógica que existe entre sujeito e objeto e as palavras para ela são coisas soltas e não peças de um sistema de classificação.

A maioria dos acadêmicos ingressos em instituições privadas cursou o ensino médio há muitos anos ou nesses ensinos médios noturnos que a mídia adotou para vender tecnologias para os governos em nosso país. Aqui, o governo extinguiu o ensino médio regular noturno, seja para economizar na folha de pagamentos, seja para contribuir com a capitalização da Fundação Roberto Marinho e outras. A justificativa é de que os alunos desistem e não há “aproveitamento”. O engraçado é que algumas pessoas do Governo vêm fazendo faculdades à noite, de Direito. Outras lecionam à noite, seja na Federal seja nas particulares.

Quanto aos acadêmicos de bai-xíssima renda fazem cursos cujas mensalidades são mais baratas. Comerciários na grande maioria, estagiários, desempregados. Agarram-se no curso superior como a última esperança de suas vidas. E padecem a dramática situação de não conseguirem fazer aquilo que o Estado não cumpriu em seus cursos de ensino fundamental e médio: a ler, seja em silêncio seja em voz alta, e a entender o que lê. São como turistas que compram passagem para um país do qual não sabem absolutamente nada, da sua história, dos seus costumes e muito menos da sua língua. Alguns desistem, outros, a duras penas conseguem superar o choque cultural ini-cial e passar a transitar no universo acadêmico com um mínimo de desembaraço. São os novos heróis. São combatentes. São essas pessoas que me dão orgulho de ser acreana.

 

 

Assuntos desta notícia


Join the Conversation